.........

Processamento de cacau deve crescer

.........

Extremamente sensível a variações de preço, o consumo de chocolate dá sinais de reação no país e leva as indústrias processadoras de cacau instaladas no Brasil a vislumbrarem um ano mais favorável que os três últimos.

A expectativa da Associação das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC) é que 230 mil toneladas de cacau serão processadas e transformadas em subprodutos para a fabricação de chocolate até o fim do ano. Se a estimativa se confirmar, será o melhor resultado desde 2013 e representará um avanço de 6% em relação ao ano passado.

Em 2016, a indústria processadora teve o pior desempenho em sete anos por causa justamente da demanda fraca no mercado doméstico. Nos últimos anos, as fábricas processadoras só não tiveram desempenho pior porque conseguiram encontrar mercado para seus produtos exportando para países do Mercosul e para Estados Unidos, por exemplo.

"Até agora, aumentamos em 1% as exportações. Então não é o mercado externo [que está puxando o crescimento], é o mercado interno que está se recuperando", afirma Eduardo Bastos, presidente da AIPC.

A reação do consumo de produtos à base de cacau no país tem ocorrido em paralelo à queda dos preços do chocolate. Desde o início do ano até julho, os preços dos chocolates em barra e dos bombons acumularam queda de 3,05%, embora os preços dos chocolates e achocolatados em pó tenham subido 3,13%, segundo levantamento do IBGE.

Para o médio ou longo prazo, a indústria aposta em uma mudança regulatória que deverá elevar a demanda das indústrias de alimentos pelo cacau. Desde 2011 tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei que prevê a elevação do percentual mínimo de cacau no chocolate de 25% para 27% em um prazo de dez anos.

O projeto foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço em julho passado, mas falta o parecer de mais duas comissões antes de ir a plenário.

Para garantir o cacau necessário para atender à demanda crescente esperada para este ano, as indústrias processadoras contam com uma reação da produção nacional, puxada basicamente pela safra no Pará. Segundo Bastos, as companhias esperam receber neste ano 170 mil toneladas de cacau colhidas no país, ante 152 mil toneladas recebidas no ano passado.

A expectativa no início do ano era ainda mais positiva, de 180 mil toneladas a serem recebidas, mas a quebra da safra temporã na Bahia fez a associação revisar para baixo seu cálculo. Apesar das chuvas terem retornado à região produtora no Estado, as lavouras ainda sentiram os efeitos da seca prolongada do ano passado.

Segundo Eduardo Bastos, a indústria precisará importar neste ano cerca de 60 mil toneladas para garantir toda a matéria-prima necessária para a moagem em 2017. De janeiro a julho, já foram importadas 46 mil toneladas, segundo dados do Agrostat, banco de dados de comércio exterior do Ministério da Agricultura.

"E tem uma carga programada oficialmente para chegar em novembro, solicitada de Gana", afirma Bastos. Atualmente, quase todo o cacau importado pelas indústrias brasileiras é proveniente do país africano.

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo

Fonte : Valor