.........

Previsão de déficit de açúcar pesa pouco em NY

.........

A Organização Internacional do Açúcar (ISO, na sigla em inglês) oficializou ontem sua primeira estimativa de oferta e demanda para a safra global 2015/16. Após cinco anos de superávits, a entidade projetou déficit de 2,5 milhões de toneladas. Na bolsa de Nova York, o impacto foi pequeno, mas os futuros da commodity fecharam com leve alta.

Os contratos para outubro encerraram o pregão com valorização de 0,28%, a 10,62 centavos de dólar por libra-peso. "O anúncio do déficit tem seu peso, mas quando é posto na balança com outras variáveis, tais como safra no Brasil e excedente de curto prazo na América Central, o efeito é limitado", afirmou o consultor da FCStone, Bruno Lima. Para ele, a previsão de déficit global no próximo ciclo deverá ganhar mais importância a partir do mês de março.

Também pesou ontem em Nova York a turbulência no mercado chinês. Ao longo do pregão, as cotações operaram no campo negativo sob pressão da nova desvalorização ocorrida no mercado acionário da China, mas os preços passaram a subir no fim da sessão, após a divulgação das projeções da ISO.

A entidade, com sede em Londres, estimou que a produção mundial na safra 2015/16, que começa em 1º de outubro, deve cair 1,8 milhão de toneladas, para 170,9 milhões de toneladas. A produção do Brasil e da Índia (os dois maiores produtores do mundo) deverá somar 63 milhões de toneladas. Já o consumo deverá crescer 3,6 milhões de toneladas, para 173,4 milhões. Mesmo com maior demanda, a nova safra deverá chegar ao fim com estoques de 83,4 milhões de toneladas. (Colaborou Fabiana Batista)

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo

Fonte : Valor