.........

Porto de Santos deve dobrar capacidade de operação até 2014, diz diretor

.........

Apesar do crescimento, a maior dificuldade está no transporte das mercadorias até o terminal

por Globo Rural On-line

Divulgação/Porto de Santos/Sérgio Furtado

O Porto de Santos deve dobrar a capacidade de operação até 2014, segundo o diretor de planejamento da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Renato Barco. A previsão é que com a construção de dois novos terminais o porto passe a movimentar oito milhões de teus em carga – cada teu equivale a um contêiner de 20 pés, que pode transportar aproximadamente 10 toneladas.
Os investimentos para a construção dos novos terminais, totalizando cerca de R$ 3,5 bilhões, serão feitos pelaEmpresa Brasileira de Terminais Portuários S.A(Embraport) e pela Brasil Terminal Portuária. Com as obras, o porto passará a trabalhar com folga – a demanda prevista para 2014 é de 4,25 milhões de teus. "Em um ano e meio nós vamos mais que dobrar a nossa movimentação, esse é o nosso plano, o nosso projeto", ressaltou Barco. Em 2011, foram movimentados 2,9 milhões de teus em Santos.
A construção permitirá, de acordo com o diretor, a criação de até 1,5 mil empregos. Atualmente, cerca de 15 mil pessoas trabalham no porto. "Considerando os operadores portuários e os trabalhadores administrativos que operam nos mais variados terminais do porto", explicou Barco.
Apesar das melhorias, o diretor ressaltou que ainda existe um gargalo para o transporte das mercadorias até o porto. Isso porque os veículos de carga têm que enfrentar o tráfego intenso nas rodovias do sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital paulista com o litoral e, por isso, tem fluxo intenso nas épocas de temporada. "Em toda essa estrada o caminhão compete muito com o carro de passeio. Ainda mais em época de temporada, época de calor", assinalou.
Para solucionar o problema, Renato Barco defende a ampliação da malha ferroviária para, inclusive, contornar a capital paulista, que restringe o tráfego de caminhões durante o dia. "Hoje, por exemplo, as mercadorias que chegam do interior de São Paulo ou de Mato Grosso param para atravessar São Paulo somente à noite."

Fonte:  Globo Rural