.........

Plano Safra aplica mais de R$ 13 bilhões na agricultura familiar

.........

Ao todo, o Banco do Brasil estima destinar R$ 70 bilhões para as operações de crédito rural na safra 2013/2014 – um aumento de 27% em relação a safra anterior


Divulgação/Governo Federal
Plano Safra aplica mais de R$ 13 bilhões na agricultura familiar

Com um aumento de 30% em relação ao valor divulgado para a safra anterior (R$ 10,5 bilhões), o Banco do Brasil estima aplicar R$ 13,2 bilhões para o crédito da agricultura familiar na safra 2013/2014. O lançamento do Plano Safra do agente financeiro, em Brasília, foi feito na manhã dessa segunda-feira (1º) e já passa a valer em todo o País.

Ao todo, o Banco do Brasil estima destinar R$ 70 bilhões para as operações de crédito rural na safra 2013/2014 – um aumento de 27% em relação a safra anterior, que foi de R$ 55 bilhões. Os agricultores empresariais e cooperativas rurais poderão contar com R$ 56,8 bilhões de recursos para incrementar sua produção.

O produtor familiar que quer contratar o crédito do Pronaf para o custeio da produção vai ter disponível, pelo Banco, R$ 6,7 bilhões. No caso de investimento, o valor estimado é de R$ 6,5 bilhões. Dos recursos anunciados, 94% deles têm juros controlados, ou seja, foram tabelados pelo governo federal.

O secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Laudemir Müller, destacou a aplicação recorde dos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) na safra 2012/2013 e a parceria com o banco para o setor.

“Na safra passada nós tivemos uma aplicação recorde de recursos. Ultrapassamos 95% de crédito disponibilizado pela agricultura familiar, que foi de R$ 18 bilhões. No Plano Safra atual temos um avanço muito importante, que é o volume recorde de crédito. São R$ 21 bilhões e o Banco do Brasil é o principal operador do volume de recursos, com mais de 70%”, explica.

Ainda segundo Laudemir Müller, esse crédito para o investimento mostra, ainda, que a agricultura familiar está produzindo cada vez mais.  “Boa parte desse recurso é para investimento. Isso significa que a agricultura familiar está investindo mais, produzindo mais, gerando mais empregos na área rural e na indústria, e aumentando a produção dos alimentos – o que o Brasil precisa para crescer com estabilidade, articulando a nossa política agrícola com a nossa política econômica”, afirma o secretário.

10 anos

A safra 2013/2014 marca os dez anos das ações governamentais voltadas para a agricultura familiar. Nesta década, a renda da agricultura familiar cresceu 52%, o que permitiu que mais de 3,7 milhões de pessoas ascendessem para a classe média.


Parceria Incra

Durante o evento, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e o Banco do Brasil assinaram o convênio para o compartilhamento da base de dados do Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR). Essa integração da base de dados tem o objetivo de levar informação qualificada à sociedade brasileira.

“O Incra vem desenvolvendo o conceito de governança fundiária e um dos eixos de atuação é a integração com os parceiros que trabalham com a questão agrária e agrícola. A contrapartida é a possibilidade de melhorar a nossa rede de infraestrutura de captação de dados de GPS. Pretendemos avançar em regiões aonde o tempo de captação da coordenada geográfica é muito alto e, assim, teremos mais eficiência no trabalho de topografia, por exemplo”, explica o presidente do Incra, Carlos Guedes.

O Instituto possui 200 milhões de hectares cadastrados em sua base de dados, o que equivale a dois terços das terras agrícolas do País. Participaram do lançamento do Plano Safra do Banco do Brasil, o presidente da Embrapa, Maurício Lopes; o diretor de Agronegócio do banco; Clênio Sevério; e o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Gueller.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário

Fonte: Portal Brasil