.........

Planalto avalia liberação de defensivo

.........

 

A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, pediu prazo de, no mínimo, cinco dias para avaliar o teor da proposta de decreto apresentada por deputados da base ruralista, que pleiteia a liberação imediata do governo à importação de agrotóxicos para o controle de novas pragas, como, por exemplo, a Helicoverpa armigera. De acordo com a assessoria da Casa Civil, a ministra espera aval da equipe técnica para encaminhar o texto à presidente Dilma Rousseff. O encontro ocorreu na quarta-feira.

Se assinado pela presidente, o decreto flexibilizará o processo de entrada dos produtos no país. Pelo rito habitual, o fabricante de agrotóxicos que quiser vender no Brasil tem de entregar estudos toxicológicos na Anvisa, ambientais no Ibama e agronômicos no Mapa. ‘No modelo emergencial, que é o que se está tentando, se mantêm as exigências, mas não com tanto rigor. O fabricante apresenta um estudo parcial e ganha dois anos de prazo para concluir os restantes e ganhar o registro definitivo’, disse José Otávio Mendes, professor da Escola de Agricultura da USP e membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável. ‘Considero um risco pequeno, aceitável’, opina Mendes.

Engenheiro Agrônomo da Emater, Gervásio Paulus é contrário à liberação da importação dos defensivos, principalmente o que combate a Helicoverpa. ‘Se já existem agentes biológicos e sabemos que são eficazes, por que a opção pelo agrotóxico? O foco está errado.’

Fonte : Correio do Povo