.........

PL de florestas sem consenso no RS

.........

Se depender da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Sema/Fepam), o PL de florestas plantadas não será remetido para apreciação da Assembleia Legislativa com nenhuma proposta de flexibilização das atuais normas e procedimentos de licenciamento para a implantação de novas áreas destinadas à silvicultura. A intenção da Seapa e Câmara Setorial de Florestas Plantadas era a liberação do licenciamento ambiental para pequenos e médios empreendimentos. De acordo com o secretário adjunto da Sema, Luis Fernando Perello, a posição se deve ao altíssimo impacto ambiental da atividade. ‘No momento, nem sequer passa pela nossa cabeça autorizar ou concordar com sugestões que visem à modificação do status quo de abordagem que fazemos hoje. E até onde sei, a Fepam comunga da mesma opinião’, afirmou. ‘O licenciamento ambiental funciona como uma certificação de boas práticas e é encarado deste modo pelos grandes produtores do setor. Mexer nisso agora seria um retrocesso para o Estado e para o setor como um todo, porque perderia competitividade no mercado’, concluiu.

O secretário adjunto da Seapa, Cláudio Fioreze, discorda que a atividade seja classificada como de alto potencial poluidor. ‘Se o ciclo médio de eucalipto for de dez anos, como dizem, é tempo suficiente para dez plantios de soja e trigo, por exemplo. Nesse tempo, quanto de agrotóxico, fertilizantes solúveis e de mobilização são lançados nesse solo’, questiona.

Fonte: Correio do Povo