PL da rastreabilidade vai para a AL

O governo do Estado pretende dar início em janeiro ao sistema de identificação individual do rebanho bovino do Rio Grande do Sul. O anúncio do envio do projeto de lei (PL) à Assembleia Legislativa (AL) foi feito ontem pelo governador Tarso Genro, no Sindicato Rural de Lavras do Sul, na 5 edição do seminário O Pampa e o Gado. O modelo adotado será obrigatório e gratuito. O anúncio sinaliza a superação de obstáculos jurídicos observados pelo presidente da Farsul, Carlos Sperotto, na Câmara Setorial da Pecuária. ‘O nosso sistema, obrigatório, vai até o abate, ao contrário do programa nacional de rastreabilidade, que é opcional’, explica o secretário da Agricultura, Luiz Fernando Mainardi.

A intenção do governo é, além de reforçar a segurança e a confiabilidade dos programas sanitários, combater o abigeato e a sonegação. No ano passado, segundo a Seapa, ocorreram 2,6 milhões de nascimentos, sendo que, o abate declarado nos três níveis, federal, municipal e estadual foi de 2,03 milhões. ‘O custo do programa será pago com o fim do abigeato e da sonegação’, diz Mainardi. Nos dois primeiros anos, o desembolso deve atingir os R$ 15 milhões, recuando para R$ 10 milhões a partir do terceiro ano. Como a brincagem será feita por gerações, a Seapa espera identificar 100% do rebanho até 2018. ‘A partir de 2019, nenhum animal poderá estar sem identificação’, diz Mainardi.

Fonte: Correio do Povo