.........

Parque Assis Brasil pede PPCI a 15 dias da Expointer

.........

Polo visita o parque e revela boas expectativas, apesar da crise
A documentação necessária para a desinterdição do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, foi encaminhada nesta quinta-feira ao Corpo de Bombeiros. O trâmite burocrático foi finalizado oito dias antes do prazo previsto e, dessa maneira, o Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) deve ser liberado a tempo do início da Expointer 2015, que acontece de 29 de agosto a 6 de setembro. Enquanto isso, o local passa por diversas melhorias, principalmente para reforma das estruturas atingidas por um temporal em dezembro do ano passado.

De acordo com o secretário de Agricultura do Rio Grande do Sul, Ernani Polo, a obtenção do PPCI "era uma grande preocupação", especialmente pelos problemas observados na rede elétrica. Todas as 220 caixas de distribuição de energia, que se encontravam no nível do solo, foram erguidas e, agora, respeitam as determinações dos bombeiros. Entretanto, a liberação será apenas parcial, pois o PPCI completo da área está sendo elaborado e deve ser finalizado em um segundo momento. "É a primeira vez que o parque terá um PPCI global. Contratamos uma empresa para fazer o projeto das áreas públicas, que será agregado ao plano dos espaços particulares", explicou Polo.

O secretário esteve no local, pela manhã, para detalhar as melhorias na infraestrutura e a preparação para a Expointer à imprensa. Além da recuperação elétrica, foram trocadas as cercas das quatro pistas de prova e construídos um novo lavador para o gado leiteiro e duas coberturas na área de inspeção e desembarque dos animais. Para realizar os reparos nos danos causados pelo temporal do final do ano passado, foram investidos R$ 1,5 milhão, em parceria com a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), o Sindicato da Indústria de Máquinas e Implementos Agrícolas (Simers) e Associação Brasileira dos Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).

Inclusive, em 2015, os animais da ABCCC ocuparão um espaço novo, desenvolvido pela própria entidade ao custo de R$ 3,5 milhões. Na antiga área dos Crioulos, será alocada a exposição de pequenos animais. O setor dedicado às máquinas e implementos está recebendo calçamento e sendo ampliada pelo Simers, com objetivo de receber mais expositores na edição do próximo ano. A entidade, segundo seu presidente, Cláudio Bier, também fará a ampliação em 80 centímetros do dique provisório para evitar alagamentos, como em anos anteriores.

Segundo Polo, os problemas financeiros do Estado não atrapalham a realização da Expointer e a manutenção do parque. "Estamos falando de um evento que é superavitário. Os recursos investidos retornam durante a Expointer", destacou. Na edição do ano passado, o aluguel de espaços e a comercialização de ingressos renderam R$ 3,06 milhões. O mesmo valor foi arrecadado até esta quinta-feira, apenas com as locações, segundo o secretário. "O momento econômico é de dificuldade, o que traz limitações à feira. Em que pese esse fator, temos boas expectativas, pois trata-se de um momento com novidades para o agricultor que deseja investir", completa.

No ano passado, a Expointer recebeu mais de 450 mil visitantes e, em volume de negócios, R$ 2,72 bilhões. "A Expointer não é somente negócios, é uma feira que vai além, com a realização de seminários, debates e interação entre pessoas do Estado, do Brasil e de outros países", destacou o secretário Polo.

Luiz Eduardo Kochhann

Fonte : Jornal do Comércio