.........

Para reforçar operação global, trading Alvean capta US$ 400 milhões

.........

Buscando fortalecer suas operações globais já bastante consolidadas e ainda impulsionar seu crescimento, a Alvean – joint venture entre a brasileira Copersucar e a americana Cargill – acertou um empréstimo rotativo sindicalizado de US$ 400 milhões com 21 instituições financeiras na última semana. A trading lidera atualmente a comercialização de açúcar no mundo.

Inicialmente, a Alvean buscou uma captação de US$ 250 milhões, mas como a oferta foi bem recebida pelos bancos convidados para a operação, a empresa acabou captando US$ 400 milhões. A operação foi encabeçada pelos bancos BNP Paribas, Rabobank e Natixis. O empréstimo tem duração de 364 dias.

Em comunicado, a companhia disse que o financiamento servirá para "propósitos de emprego de capital em geral relacionados às atividades de comércio de açúcar da companhia" e "vai apoiar o crescimento de seu negócio".

O diretor financeiro da Alvean, Stefano Tonti, afirmou, em comunicado, que o empréstimo terá "um papel importante em nosso modelo de financiamento crescentemente diversificado, contribuindo para nossa força e resiliência conforme nós entramos na próxima fase de nosso desenvolvimento".

O executivo ressaltou que a interesse elevado dos bancos na operação "demonstra a confiança que nossos bancos têm em nós, em nosso modelo de negócios e nos nossos planos de crescimento para o futuro". Ele destacou o interesse de novos bancos, além das instituições com as quais a empresa já trabalha.

A Alvean foi constituída em 2014 pelas sócias com 50% de participação cada uma sobre seu capital. Na safra brasileira 2015/16 – quando operou pela primeira vez em uma temporada do início ao fim -, comercializou 11,5 milhões de toneladas de açúcar em todo mundo. Esse volume representou uma participação de 30% no mercado internacional naquela safra. No entanto, foi um ciclo em que a trading não registrou resultado positivo nem negativo, conforme informou à época a Copersucar.

Os números da safra brasileira 2016/17, que terminou no último dia 31 de março, ainda não foram divulgados, mas as condições de mercado foram em geral mais favoráveis às tradings. Apesar do surgimento de uma concorrente de peso, a RaW, joint venture entre Raízen e Wilmar, os preços do açúcar ficaram historicamente elevados na safra.

No Brasil, a Alvean adquire açúcar por meio da Copersucar e outros fornecedores e vende no mercado internacional. Na safra 2015/16, a empresa originou 5 milhões de toneladas no país. A trading também atua no Oriente Médio, Estados Unidos, Rússia e nos países da Ásia próximos ao Oceano Pacífico, trabalhando com açúcar bruto como o refinado.

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo

Fonte : Valor