.........

O show não podia parar

.........

Por nove anos, narrei o Freio de Ouro para o Canal Rural. Tive sempre comigo nas manhãs geladas do inverno gaúcho a companhia dos comentaristas Alexandre Crespo e Mário Fernando Suñe. Hoje, Crespo é o vibrante narrador do Freio, o Galvão Bueno do pampa, e Alexandre Suñe, filho do saudoso Mário, seu fiel escudeiro nos comentários. Dois “guris” apaixonados por cavalos e experts no certame. Mas nunca esqueci da última prova que o “Bochecha” (apelido carinhoso de Mário) comentou conosco, também em Esteio. Já debilitado pela doença que logo o levaria, Suñe praticamente “ fugira” do hospital para participar daquela final na Expointer. Eu nunca vira o Mário tão falante e empolgado – cinco horas ao vivo no ar. Quando nos despedimos do público, ao final da transmissão, os três sabíamos, intimamente, que não estaríamos juntos no ano seguinte. Foi difícil conter as lágrimas. Mas o show não podia parar, e lá estávamos nós: cansados, tristes, mas sorridentes.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho