Novos tempos: vaca girolanda dá média diária de 85 litros de leite

<em>Por causa da onda da sustentabilidade, as comemorações não são mais feitas com leite de verdade, mas bolinhas de isopor. Bem melhor, porque dessa forma os vencedores não passam mais o dia cheirando a azedo</em>

Por causa da onda da sustentabilidade, as comemorações não são mais feitas com leite de verdade, mas bolinhas de isopor. Bem melhor, porque dessa forma os vencedores não passam mais o dia cheirando a azedo. Assim, também não jogam fora um produto tão nobre

No final da década de 70 até meados da década de 80 do século passado eu cobri dezenas de torneios leiteiros para a revista Balde Branco. Naquele tempo as vacas vencedoras atingiam médias diárias de, no máximo, 45 litros de leite, desempenho bastante comemorado por seus proprietários.

Pois bem. No 24º Torneio Leiteiro da Raça Girolando, realizado durante a Megaleite 2013, feira que acontece em Uberaba, uma fêmea dessa raça genuinamente brasileira alcançou a produção total de 255,490 litros de leite em 9 ordenhas, o que dá uma média diária espantosa de 85,163 litros. Ela levou o título de Melhor Vaca do Torneio. Gente, é uma enxurrada de leite. É recorde, claro.

Segure firme aí que tem mais. O torneio é dividido em várias categorias. Na categoria vacas, a campeã produziu 184,090 litros de leite em 9 ordenhas, o que dá a também excelente média diária de 61,363 litros.

Seu nome é Obra Prima – não poderia ser outro, concordam? – e seu proprietário se chama Enos Toledo Yan Hsin Ma. Eu quero conhecer esse pecuarista. Depois conto para vocês.

O volume de leite de Obra Prima, se a memória não me trai, não era alcançado nem por vacas  holandesas puras nos meus tempos de repórter de Balde Branco. Há 30 anos.

Fonte: Globo Rural