.........

Novos procedimentos facilitam retomada de veículos financiados

.........

Aline Massuca/Valor
Fábio Kurtz: busca e apreensão pode ocorrer em três meses, não em um ano

A retomada de veículos por inadimplência no financiamento deverá se tornar mais rápida por alterações de procedimentos estabelecidas pela Lei nº 13.043, recentemente sancionada. A medida também vale para devedores em recuperação judicial.

Um procedimento mais ágil é aguardado por não ser mais necessário aguardar a notificação do devedor e sua manifestação para que a busca e apreensão ocorra. Agora, basta a comprovação por carta registrada com aviso de recebimento. O procedimento também pode ser autorizado por liminar. "A busca e apreensão pode se exaurir em dois ou três meses. No passado, demorava-se cerca de um ano", afirma Fábio Kurtz, sócio do Siqueira Castro Advogados.

A principal alteração, segundo advogados, é a dispensa da assinatura pelo devedor, da notificação, para caracterizar o atraso no pagamento. O Decreto-lei nº 911, de 1969, determinava que a mora poderia ser comprovada por carta registrada expedida por cartório ou pelo protesto do título. Agora basta a carta registrada com aviso de recebimento. "Essa disposição tira um entrave. É uma coisa pequena, mas é um dos entraves mais significativos que existiam", afirma Guilherme de Siqueira Pastore, do Stocche Forbes advogados.

Outra novidade, é que ao decretar a busca e apreensão do carro, o juiz que tiver acesso à base de dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) pode inserir a restrição judicial na base de dados. Com isso, o antigo dono do veículo já não consegue mais vendê-lo, explica Fábio Kurtz.

Além disso, se o carro estiver em uma comarca diferente da que tramita a ação, a parte interessada pode pedir diretamente ao magistrado dessa comarca a apreensão. Antes, era preciso a expedição de carta precatória.

A lei também traz um dispositivo específico sobre a retomada de veículo de devedor em recuperação. O artigo 6º -A diz que a recuperação judicial ou extrajudicial do devedor não impede a distribuição e a busca e apreensão do bem. Mas a medida, segundo advogados, deve ser analisada conjuntamente com a Lei de Falências.

De acordo com Pastore, a lei falimentar prevê que se o bem for essencial para a atividade da recuperanda, ele não poderia ser retomado, o que afastaria o artigo 6º-A. "Isso terá que ser decidido pelos tribunais", afirma.

O advogado Marcus Vinicius Moura de Oliveira, do Lacerda e Franze Advogados Associados, acredita que uma das consequências da norma será a redução de juros nas operações, seguida de uma queda da inadimplência, em médio prazo, assim como o número de ações judiciais. Já Kurtz acredita que a lei pode aumentar a demanda judicial pela nova facilidade de recuperação do bem.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), as alterações trarão uma redução de prazo para a retomada de bens dados em alienação fiduciária e, consequentemente, maior segurança jurídica e incentivo para a oferta de crédito. Hoje, o percentual médio de retomada judicial de veículos financiados é de 20% sobre o total de processos ajuizados, de acordo com a entidade.

A Proteste – Associação de Consumidores também espera um aumento na oferta de crédito, mas orienta que o consumidor tome cuidado. "Recomendamos que o consumidor avalie melhor se pode financiar ou se é melhor poupar mês a mês", afirma Sônia Amaro, supervisora institucional da Proteste. Ela destaca que, agora, pela desobrigação da assinatura na carta registrada, em alguns casos, pode ser que ele não seja comunicado sobre a busca do bem. "Isso é complicado. Não dá chance para ele discutir com a empresa", diz.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/legislacao/3822170/novos-procedimentos-facilitam-retomada-de-veiculos-financiados#ixzz3Lxxz6d6T

Fonte: Valor | Por Beatriz Olivon | De São Paulo