No RS, áreas que eram destinadas à soja, recebem agora o gado de corte

Criadores estão transferindo o rebanho para o norte do estado.
Ideia é buscar melhores pastagens para engordar o gado.

Do Globo Rural

O rebanho com cerca de 300 cabeças de gado foi para Cruz Alta, no noroeste gaúcho, há menos de dois meses. O criador que durante o verão manteve os animais na propriedade mais ao sul do estado, mudou o ambiente em busca de alimentos mais nutritivos.

A qualidade das pastagens do noroeste gaúcho garante a engorda do gado de corte.

O azevém de inverno, produzido em cima das lavouras que no verão receberam a soja, serve de alimento nutritivo para os animais.

O pecuarista Eduardo Ferreira se especializou na criação da raça europeia angus por se adaptar melhor ao clima frio do Rio Grande do Sul. Ele explica que a mudança na alimentação também valoriza o valor do animal no mercado.

O gado deve permanecer na região pelos próximos três meses, depois vai para o abate.

Fonte: G1