Índice de preços da FAO volta a recuar

O índice de preços globais de alimentos da FAO, o braço da ONU para agricultura e alimentação, caiu em janeiro ao menor patamar desde abril de 2009. Conforme informações divulgadas ontem pelo órgão, o indicador recuou para 150,4 pontos, 1,9% menos que em dezembro e 16% abaixo de janeiro de 2015. Foi a 19ª retração nos últimos 22 meses.

"O principal fator por trás dessa queda é a ampla condição de oferta de matérias-primas básicas, a desaceleração na economia global e a valorização do dólar em relação a outras moedas", afirmou, em comunicado, a entidade baseada em Roma.

O recuo do índice de preços da FAO em janeiro foi liderado pelo açúcar, embora carnes, lácteos, grãos e óleos vegetais também tenham registrado reduções mensais de preços médios de pelo menos 1%. O indicador que mede especificamente as oscilações do açúcar, porém, registrou baixa de 4,1%, para 199,4 pontos, por questões favoráveis à produção, principalmente no Brasil. (ver Venda antecipada de açúcar bate recorde ).

Já o indicador que mede os preços dos óleos vegetais ficou em janeiro em 139,1 pontos, queda de 2,4 pontos (1,7%) sobre dezembro. O recuo foi motivado principalmente pelo óleo de soja, diante de expectativa de uma ampla oferta mundial.

O índice dos lácteos recuou 3%, para 145,1 pontos, pressionado pelo aumento da produção de leite na União Europeia, pela maior oferta na Oceania e por uma menor demanda por importações. O indicador das carnes caiu 1,1% na comparação, para 148,3 pontos.

Mais em www.fao.org

Por Bettina Barros | De São Paulo

Fonte : Valor