Naq Global planeja expansão no Brasil

A empresa indiana Naq Global, de aditivos para fertilizantes, planeja expandir a produção no Brasil. A companhia vai implantar um complexo industrial em Minas Gerais, próximo à divisa com o Estado de São Paulo, e outra fábrica em Rondonópolis, Mato Grosso.

A expectativa da empresa com os novos projetos é quintuplicar seu faturamento no país em cinco anos, para US$ 500 milhões. A companhia não revelou, porém, quanto vai investir.

A Naq Global, que atua há sete anos no país, tem uma unidade fabril instalada há cinco anos em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e outra em Uberaba, Minas Gerais, com produção de dez mil toneladas mensais cada uma.

O complexo industrial em Minas Gerais deve entrar em operação no primeiro semestre de 2013. Fernanda Dias, gerente geral de operações, afirma que o projeto vai envolver outros negócios no mesmo segmento, com capacidade de produção maior que a existente. A construção da fábrica em Mato Grosso, cujo terreno já foi adquirido, deve começar neste ano. A unidade deverá produzir dez mil toneladas de aditivos por mês.

Com matriz em Mumbai e escritório central em Jaipur, a Naq Global tem uma fábrica na Índia e outra em Dubai, além das unidades brasileiras. A companhia também exporta para vários países do Oriente Médio, Golfo Pérsico, África, além da América Latina (Colômbia, Chile, Argentina e México). Os embarques totais da companhia somam de 8 mil a 10 mil toneladas por bimestre. As fábricas no Brasil atendem aos mercados da América Latina.

A empresa utiliza tecnologia única para os aditivos e tem como clientes também grandes players do mercado de adubos. Os aditivos são substâncias usadas para melhorar a qualidade e processos dos fertilizantes como, por exemplo, diminuir o empedramento dos adubos. São produtos que facilitam também a adesão de micronutrientes e liberam de forma controlada nutrientes como o nitrogênio, com redução de custos.

O presidente e CEO da Naq Global, Avdhesh Mathur, afirma que a escolha do Brasil para ampliar a produção se deve ao grande potencial do país na área agrícola. "Precisamos de mais alimentos, mais safras agrícolas e mais fertilizantes", afirma.

Mathur conta que o crescimento da receita no Brasil é expressivo, de 125% por ano. Atualmente, segundo ele, está em US$ 100 milhões anuais, 20% do faturamento mundial de US$ 500 milhões. E garantiu que em cinco anos, quando os dois projetos estiverem concluídos, a receita deve chegar a US$ 500 milhões no país.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2814314/naq-global-planeja-expansao-no-brasil#ixzz25Phk12vr

Fonte: Valor | Por Carine Ferreira | De São Paulo