Mata atlântica se aproxima do desmatamento zero

Só restam 12,5% da área original da mata atlântica (1,3 milhão de km2), mas o pouco que sobrou pelo menos caminha para a marca de desmatamento zero.

Em 2014, a taxa de destruição recuou 24%.

Foram derrubados 183 km2. Para comparação, essa área corresponde a aproximadamente o dobro do espelho d’água da represa Billings.

A boa nova está no "Atlas de Remanescentes Florestais" que a ONG SOS Mata Atlântica e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) lançam nesta quarta-feira (27). Em 2013, haviam sido registrados 240 km2.

Até a virada do século, a derrubada da floresta chuvosa mais ameaçada do Brasil andava na casa dos mil km2 anuais. No seu domínio, que se estende ao longo do litoral, vive 72% da população brasileira, que há 515 anos derruba a mata para abrigar agropecuária e cidades.

A redução paulatina das taxas, em especial após a Lei da Mata Atlântica (11.428/2006), levou mais da metade dos 17 Estados abrangidos a registrar, em 2014, menos de 1 km2 de devastação. Ou seja, muito perto de zerar o desmatamento. São eles: São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Goiás, Espírito Santo, Alagoas, Rio de Janeiro, Sergipe e Paraíba

"Reduziu muito, beleza. Mas tem a questão da recuperação", ressalva Marcia Hirota, diretora-executiva da SOS. "E agora? Onde a floresta precisa voltar para garantir os serviços ambientais?"

Conservação de recursos hídricos é o primeiro serviço que vem à baila. Hirota comemora, a respeito, o fato de dois dos Estados do Sudeste (SP e RJ) afetados pela seca chegarem perto de zerar o desmate.

O outro Estado castigado pela estiagem, Minas Gerais, segue com a segunda maior área de mata atlântica derrubada (56,1 km2), mas conseguiu diminuir a taxa em 34%. É o resultado de uma moratória decretada pelo governo mineiro em junho de 2013, que suspendeu autorizações para supressão vegetal.

O campeão de destruição foi o Piauí, onde pereceram 56,3 km2 de matas. Só no município de Eliseu Martins foram 42,9 km2, vizinho das localidades de Manoel Emídio e Alvorada do Gurgueia, no sul do Estado nordestino, que já haviam despontado no radar da SOS em 2013.

O motor do desmatamento ali é a expansão do cultivo de grãos como soja e milho. A fronteira agrícola se expande do cerrado (que já perdeu 48% da cobertura original para o avanço da agropecuária) na direção das áreas de transição para mata atlântica e caatinga, em especial no sul do Piauí e do oeste da Bahia ­–terceiro Estado no ranking do atlas 2014 da SOS.

"Desenvolvimento é importante, mas não à custa das florestas naturais", diz Marcia Hirota, que defende moratórias ao estilo mineiro na região conhecida como Mapitoba ou Matopiba (palavra formada com as siglas dos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia).

Fonte: Folha

MARCELO LEITE
DE SÃO PAULO

27/05/2015 02h00