.........

LBR muda planos para suas operações remanescentes

.........

Dificuldades para operar a fábrica de Tapejara, no Rio Grande do Sul, levaram a LBR – Lácteos Brasil a desistir de arrendar, como estava previsto, a unidade que vendeu à ARC Medical Logística em leilão de ativos, em agosto passado. Com isso, a ARC arrendou a unidade para a Italac.

No leilão, parte do plano de recuperação judicial da LBR, a companhia de lácteos vendeu 14 unidades produtivas isoladas para seis empresas diferentes: a francesa Lactalis, a ARC, a Colorado, o Laticínios Bela Vista, a Cooperativa do Vale do Rio Doce e a Agricoop. Com a venda das 14 UPIs – que incluem ativos como fábricas ou marcas -, a LBR deverá arrecadar R$ 533,477 milhões.

Durante a assembleia de credores que aprovou a venda dos ativos, em agosto, a LBR informou que, após a alienação, continuaria operando o consórcio que tem hoje com as companhias Glória e Ibituruna nas unidades de Governador Valadares (MG) e Guaratinguetá (SP) e que arrendaria a fábrica de Tapejara. Manter essas atividades é uma das formas de a LBR cumprir seu plano de recuperação judicial.

Mas, na última semana, a LBR informou ao escritório do administrador judicial Ricardo Sayeg que não iria mais arrendar Tapejara diante de problemas enfrentados com fornecedores de leite. Decidiu, então, arrendar a unidade de Lobato, no Paraná – que também vendeu à ARC no leilão de ativos em agosto. Durante a assembleia de credores, a possibilidade de a LBR arrendar Lobato havia sido aventada, mas Tapejara acabou sendo a escolhida.

Segundo o termo de diligência que reproduz o encontro com a administração judicial do dia 5 de dezembro, a LBR informou que "diante do não pagamento dos produtores de leite, nos meses de outubro e novembro, relativamente à UPI Tapejara, as atividades naquela planta ficaram praticamente paralisadas, colocando em risco os empregos e a função social da referida planta".

A fábrica ficou parada quase todo o mês de novembro "tendo em vista que os produtores de leite se negavam a fornecer em razão da inadimplência da LBR, inclusive bloqueando fisicamente com caminhões a entrada da planta", conforme informou representante do sindicato dos trabalhadores na indústria de alimentação de Tapejara, também presente ao encontro.

Em decorrência da paralisação, a ARC solicitou a imissão provisória na posse da UPI de Tapejara ao juiz da recuperação judicial Daniel Carnio, que deferiu o pedido. O termo de diligência diz que "a fim de retomar a atividade na UPI Tapejara, [a ARC] está em tratativas de arrendamento da referida planta para a Italac".

No termo de diligência, as recuperandas afirmam que, "cientes do compromisso assumido em AGC (assembleia de credores) quanto à continuidade das atividades envolver a UPI de Tapajara, diante da respectiva impossibilidade, (…) implementaram solução equivalente por meio da operação da planta de Lobato (que compõe a unidade produtiva Líder)".

A LBR não respondeu ao pedido de entrevista até o fechamento desta edição. Mas uma fonte familiarizada com o tema disse que havia resistência por parte dos produtores gaúchos à continuidade da LBR à frente das operações de Tapajera, em consequência dos atrasos de pagamentos do leite, desde que a empresa entrou em dificuldades financeiras.

Essa mesma fonte afirmou que a unidade de Lobato, que será arrendada no lugar de Tapejara, tem capacidade de processamento igual à da unidade gaúcha, de 500 mil litros de leite por dia. Além disso, a relação da empresa com os fornecedores da região não foi tão afetada e há a proximidade com o mercado paulista.

A mudança nos planos da LBR dá uma indicação das dificuldades que a empresa têm tido para continuar operando, mesmo após a venda de ativos, e dos desafios que deverá enfrentar nos próximos meses. Isso porque atrasos nos pagamentos a fornecedores têm potencial para inviabilizar uma retomada, mesmo que modesta. Na época em que a venda dos ativos foi aprovada, a projeção da LBR era que as atividades remanescentes (consórcio mais unidade arrendada) gerariam receita líquida de R$ 317,7 milhões em 2015.

A projeção de receita foi calculada com base em uma captação média de 500 mil litros de leite por dia, a um preço médio no ano de R$ 1,98 pelo litro do leite longa vida. Também considerava que a empresa terá o ressarcimento de um crédito liquido de PIS-Cofins de R$ 178 milhões no próximo ano.

A LBR ainda espera a emissão pela Justiça das cartas de arrematação, que transferirão definitivamente aos compradores os ativos vendidos no leilão judicial. A expectativa, apurou o Valor, é que as cartas saiam até a próxima semana, já que o recesso do Judiciário começa em 19 de dezembro. Com as cartas de arrematação, parte do valor da venda dos ativos será transferida para a empresa de imediato – há valores que serão pagos em parcelas futuras e compensações por dívidas anteriores da LBR com os compradores dos ativos.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3814216/lbr-muda-planos-para-suas-operacoes-remanescentes#ixzz3LggLSflS

Fonte: Valor | Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo