.........

Lavouras de arroz eram o principal destino dos agrotóxicos irregulares apreendidos pela Polícia Federal no RS

.........

Na ação desta terça-feira, veículos e documentos foram recolhidos em cinco municípios do Estado

Lavouras de arroz eram o principal destino dos agrotóxicos irregulares apreendidos pela Polícia Federal no RS Polícia Federal/divulgação

Investigações começaram em fevereiro de 2013 Foto: Polícia Federal / divulgação

Produtores de arroz do Estado eram os principais compradores dos agrotóxicos contrabandeados do Uruguai pela quadrilha investigada pela Polícia Federal (PF) na Operação Ceifa, deflagrada nesta terça-feira. Atraídos pelo custo mais baixo do insumo no país vizinho, que segundo a PF em alguns casos chega a ser cinco vezes menor, agricultores encomendavam o produto da quadrilha, que usava uma propriedade em Guaíba, na Região Metropolitana, como base para distribuição.
Desde fevereiro, quando tiveram início as investigações da Operação Ceifa, 11 pessoas foram presas, sendo duas nesta terça-feira. Na ação desta terça-feira, foram expedidos seis mandados de busca e apreensão nos municípios de Guaíba, Bagé e Jaguarão (rotas de entrada nos agrotóxicos ilegais), além de Santa Cruz do Sul e Morrinhos do Sul, municípios de alguns dos compradores. Desde o início dos trabalhos, foram apreendidos 14 veículos, sendo sete hoje, um computador, e uma série de documentos e notas.
De acordo com Gustavo Schneider, chefe da delegacia da Polícia Federal em Santa Cruz do Sul, o grupo que operava o contrabando era formado principalmente por agricultores. No período de investigação, o maior número de encomendas foi feita por arrozeiros, mas anotações encontradas nesta terça-feira indicam o uso em outras culturas. Caso fique comprovado o envolvimento, eles podem ser enquadrados nos crimes de formação de quadrilha, contrabando e importação irregular.
Os agrotóxicos importados irregularmente não são submetidos aos critérios de avaliação dos órgãos federais brasileiros quanto ao seu grau de toxicidade e controle de qualidade sobre as embalagens, o que pode causar danos à saúde. Este ano, a PF apreendeu cerca de 6,6 toneladas de defensivos agrícolas irregulares no Rio Grande do Sul, número que supera as apreensões de 2012, que totalizaram 4,2 toneladas.

Fonte: Zero Hora