Kátia Abreu: Queremos chegar a R$ 1 bi em subvenção ao seguro agrícola

Ministra negocia com os Ministérios da Fazenda e do Planejamento a possibilidade de comercialização de produtos agrícolas estocados pela Conab

katia_abreu_mini_coletiva (Foto: Divulgação/Mapa)

Ministra também comentou sobre taça de vinho que jogou em José Serra na semana passada (Foto: Divulgação/Mapa)

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, afirmou que as negociações para elevar o volume de recursos para subvenção do seguro rural em 2016 caminham bem e que sua intenção é alcançar a cifra de R$ 1 bilhão. De acordo com a ministra, a pasta já conta com R$ 400 milhões e vem trabalhando com o deputado Ricardo Barros (PP-PR) e a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), daComissão Mista do Orçamento (CMO), para mobilizar R$ 350 milhões da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGMP) que não foram usados nos últimos três anos. "Com isso chegaríamos a R$ 750 milhões. Este montante já está praticamente acertado, mas estou muito confiante que chegaremos a R$ 1 bilhão", declarou a ministra.

saiba mais

Para alcançar este valor, Kátia Abreu negocia com osMinistérios da Fazenda e do Planejamento a possibilidade de comercialização de produtos agrícolas hoje estocados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e que renderiam R$ 250 milhões.

A ministra da Agricultura adiantou alguns dados que deve divulgar nesta terça-feira (15/12), em Brasília, durante apresentação do balanço de atividades do Ministério no exercício de 2015. Um deles diz respeito à economia de R$ 500 milhões obtida, segunda a ministra, com o corte de 50% nos gastos com hospedagens e diárias. "O governo cortou R$ 500 milhões e nós conseguimos economizar mais R$ 500 milhões", disse.

A ministra afirmou que pretende continuar melhorando os processos de gestão e governança da pasta, aproximando-os do padrão da gestão privada. "Nós e nossos servidores temos trabalhado contra o tempo para deixar um legado para a instituição. Lá não tem apadrinhamento nem amiguinho para passar na frente. Queremos uma entidade acima de qualquer suspeita e que gere confiança aos contribuintes."

saiba mais

Kátia Abreu mencionou conquistas do último ano, como a derrubada dos embargos à carne bovina brasileira, com acesso a mercados como os da Rússia e China. "Acho que eu dei a volta ao mundo três vezes neste ano. Na última viagem à China, abrimos 17 plantas às exportações brasileiras de carnes", afirmou. Também citou a lei plurianual agrícola, que está em elaboração no Ministério da Agricultura e deve ser enviada à Frente Parlamentar da Agricultura no ano que vem.

Kátia Abreu participou na tarde desta segunda-feira (14/12), da cerimônia de posse do novo chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo Eduardo de Miranda, na sede da unidade em Campinas (SP).

No evento, a ministra disse também que o governo e Congresso não podem permitir que a nota do Brasil seja novamente rebaixada pelas agências de classificação de risco. "Acho que o Congresso Nacional, dialogando com a Fazenda e o (Ministério) do Planejamento, podem chegar a um bom termo. O que nós não podemos permitir ou facilitar é que o Brasil seja rebaixado no seu grau de risco", disse em referência às discussões em Brasília sobre a meta fiscal para 2016 que colocam em lados opostos o ministro Joaquim Levy e aliados do governo no Congresso.

"Tudo o que pudermos fazer para fortalecer nossa economia nacional e voltar aos nossos patamares anteriores, precisa ser feito", declarou a ministra. No começo de sua apresentação, a ministra fez uma brincadeira mencionando o incidente ocorrido na semana passada envolvendo o senador José Serra (PSDB) – quando a ministra jogou uma taça de vinho no senador após ele tê-la chamado de "namoradeira". "Chega o final do ano e estou com gripe, dor no corpo, em várias partes do corpo. A dor no braço é porque eu fiz muito esforço com ele nos últimos dias", brincou. Depois, Kátia afirmou que a questão com Serra já "está no passado".

POR ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte : Globo Rural