Koppert fecha compra da Bug

A holandesa Koppert fechou a aquisição, por meio de sua subsidiária brasileira, da Bug Agentes Biológicos, com sede em Piracicaba. Com a aquisição da empresa de controle biológico, cujo valor não foi divulgado, a Koppert afirma chegar ao primeiro lugar no ranking do setor na América Latina.

Criada em 2001 na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), a Bug rapidamente começou a chamar a atenção do mercado, sendo, em 2012, eleita pela revista Fast Company (EUA) como a mais inovadora do Brasil. Em 2013, foi a primeira empresa da América Latina a integrar o grupo pioneiros da tecnologia, do Fórum Econômico Mundial, e, em 2016, recebeu o prêmio Nanocell de Empresa de Biotecnologia Empreendedora do ano no Brasil.

A Bug tem duas fábricas: uma em Piracicaba e outra em Charqueada, ambas em São Paulo.

Num mercado ainda incipiente no país, de cerca de US$ 200 milhões, apenas 2% do mercado total de defensivos em 2016, a compra da Bug representa para a Koppert o crescimento na área de controle biológico com insetos parasitoides e o acesso a um portfólio mais completo para a cana-de-açúcar, uma das primeiras culturas a receber esse tipo de tratamento contra pragas.

Segundo o diretor comercial da Koppert do Brasil, Gustavo Herrmann, o faturamento da Bug na área de tratamento para cana deve somar R$ 15 milhões em 2017 e outros R$ 5 milhões devem vir das vendas de produtos para hortifrútis.

Em 2018, a Bug lançará produto para o combate de percevejos na soja, o que deve dobrar a receita da empresa, segundo Herrmann. Hoje, 60% do faturamento da Koppert no Brasil provêm das vendas de produtos microbiológicos para as culturas de soja e milho.

O plano da Koppert é que a Bug gere frutos para além das fronteiras brasileiras, com o fornecimento de produtos à sede da empresa, na Holanda. Assim, já para 2018 estão previstos aportes entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões para ampliar a capacidade de produção da fábrica de Charqueada. "Esperamos aumentar a capacidade em 50%", disse Herrmann. A Bug tem hoje capacidade para fabricação de produtos para tratamento de 700 mil hectares de cana.

No total, os investimentos da Koppert no Brasil devem chegar a R$ 10 milhões em 2018. "E continuamos em busca de novas aquisições no país", afirmou o executivo. Na safra 2016/17, a holandesa faturou R$ 45 milhões no mercado brasileiro e a previsão é chegar entre R$ 60 milhões e R$ 70 milhões no ciclo 2017/18.

Hermann prevê que a área de tratamento biológico deve alcançar entre 25% e 30% do mercado total de defensivos até 2027. Caso a expectativa se confirme, o Brasil deverá chegar perto do peso da Europa no faturamento da empresa. Hoje, o país está na quinta posição.

Fonte : Valor