.........

Jussara investe e prevê faturar R$ 1 bi em 2015

.........

Carol Carquejeiro/Valor
Celine Gervais, da francesa Sidel, e Laércio Barbosa, da Jussara: novo equipamento permitirá uma maior diversificação

O tempo do leite na garrafa de vidro, transportada por carroças e deixada nas portas das casas, ficou para trás, mas ainda inspira. O Laticínios Jussara, que completou 60 anos em junho, acaba de lançar no mercado uma linha de leite longa vida em garrafa pet asséptica, cujo visual lembra bastante o das garrafinhas do passado e que demandou investimentos da ordem de R$ 55 milhões.

O aporte, que faz parte de um montante de R$ 140 milhões investidos nos últimos três anos, deverá permitir à Jussara elevar seu faturamento bruto para o patamar de R$ 1 bilhão no próximo ano, estima Laércio Barbosa, diretor da companhia. Neste ano, a receita do laticínio tende a alcançar R$ 750 milhões, 10% a mais que em 2013.

Barbosa não esconde um certo saudosismo quando fala sobre a nova linha. Afinal, era em garrafas de vidro que a empresa, fundada em 1954 por seu pai, o médico Amélio Rosa Barbosa, comercializava o leite pasteurizado produzido na primeira sede da Jussara, em Franca (SP). A companhia, desde 1998 instalada em Patrocínio Paulista, na região de Franca, construiu uma planta anexa, com capacidade de 10 milhões de litros por mês para a produção da nova linha, que tem leites enriquecido com cálcio e vitamina D. Na unidade já existente, a Jussara produz 27 milhões de litros por mês de leites longa vida em embalagem cartonada da múlti sueca Tetra Pak.

Em uma primeira fase, a Jussara está produzindo 3 milhões de litros de leite da nova linha por mês (ou 3 milhões de garrafas), e o plano é ampliar a produção gradativamente até que a capacidade total seja alcançada em meados de 2015, de acordo com Barbosa.

E a intenção da Jussara é produzir mais do que leite longa vida no novo equipamento. "A partir do primeiro trimestre do ano que vem, vamos diversificar", diz Barbosa. Segundo ele, a empresa estuda três novas linhas de produtos: bebida à base de soja, bebida láctea ou bebida à base de iogurte, em embalagens de 250 ml, mas ainda não decidiu o que vai lançar. Essa diversificação é possível porque o equipamento, que é ao mesmo tempo uma sopradora (produz as garrafas a partir de uma preforma de pet) e uma envasadora, pode fazer embalagens de vários formatos.

Divulgação

Fundada em 1954, a Jussara vendia leite pasteurizado em garrafas de vidro

Celine Gervais, diretora-geral no Brasil da francesa Sidel, que produz e comercializa o equipamento, afirma que a linha da Jussara em Patrocínio Paulista é a primeira com a tecnologia chamada Predis na América Latina. Nessa tecnologia, a esterilização é feita a seco na preforma. Assim, o sopro para a formação da garrafa já acontece em ambiente asséptico. Em outras tecnologias que usam garrafas pet, a esterilização é com peróxido e água e na garrafa já formada, explica Celine Gervais. Barbosa afirma que o processo é mais "sustentável" que outros para a produção de leite UHT por usar menos produto para esterilização, o peróxido, e menos água.

Há 90 equipamentos como os que está instalando na Jussara ao redor do mundo. Eles são produzidos nas fábricas da Sidel, uma companhia controlada pelo grupo Tetra Laval, na Itália e na França.

Os R$ 140 milhões investidos pela Jussara nos últimos três anos contemplaram, além da nova linha de longa vida em garrafa pet, a ampliação e a modernização das linhas UHT com embalagem Tetra Pak, e também o aumento do número de unidades de captação de leite – espalhadas pelos Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás -, que passaram de 15 para 25. Segundo Laércio Barbosa, também houve renovação e ampliação da frota da empresa.

O objetivo com esses investimentos, diz o empresário, é ganhar músculo para encarar as transformações em curso no mercado brasileiro de lácteos, que tem atraído grandes players como a francesa Lactalis, que aqui chegou no ano passado com a compra da Balkis e que este ano adquiriu ativos da LBR e também a divisão de lácteos da BRF. "A Jussara está se preparando para brigar com grupos grandes no mercado", afirma.

A aposta na diversificação, em produtos de maior valor agregado e em itens para consumo fora de casa, faz parte da estratégia da Laticínios Jussara para avançar nesse mercado. Atualmente, a marca Jussara é a primeira em leite longa vida no mercado do interior de São Paulo, de acordo com a revista "Supervarejo".

Esse dado mostra quanto o mercado ainda é pulverizado e existe espaço para crescer, observa Barbosa. "Estamos investindo para ampliar o portfólio", diz.

Além da unidade em Patrocínio Paulista, a Jussara tem, ainda, uma fábrica em Araxá (MG). Produz leite longa vida, pasteurizado, leite condensado, creme de leite manteiga, mussarela e requeijão.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3775678/jussara-investe-e-preve-faturar-r-1-bi-em-2015#ixzz3IrB7uLNm

Fonte: Valor | Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo