.........

INFORME RURAL | GISELE LOEBLEIN

.........

 

  • Tentação perigosa

    N a hora de planejar a lavoura, o custo dos produtos químicos tem pesado no bolso do produtor. Com a valorização do dólar no ano, insumos como defensivos agrícolas e fertilizantes ficaram ainda mais caros. A tentação de conseguir driblar preços ronda o produtor gaúcho e brasileiro. Mas pode ser perigosa. Ontem a Polícia Federal prendeu mais duas pessoas (leia na página 27) ligadas a um esquema de contrabando de agrotóxicos do Uruguai.
    Ao utilizar produtos sem autorização no Brasil – ainda que com o mesmo ingrediente ativo –, o produtor se expõe a riscos que vão de punições previstas na legislação (prisão, multa e destruição da lavoura onde o produto foi aplicado) até os efeitos nocivos à própria saúde. O alerta vem do engenheiro agrônomo José Annes Marinho, gerente de educação da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef):
    – O benefício econômico que o produtor acha que tem com o contrabando pode ir por água abaixo com os riscos.
    Uma das primeiras implicações práticas da entrada ilegal de um agrotóxico é a dificuldade de identificação da procedência. Em caso de produtos granulados, Marinho observa que não há como saber se os itens foram submetidos ao processo de qualidade exigido das empresas que vendem no Brasil. Aqui, são feitos testes para medir o impacto da aplicação, e os produtos são classificados em diferentes categorias, da que oferece maior à que oferece menor risco.
    Quando o produto entra por contrabando, não é possível saber sua classificação. Há ainda o risco de se comprar gato por lebre. Existem registros de casos em que produtores que acreditaram estar comprando determinado ingrediente ativo, que era, na verdade, farinha ou ainda areia. Se o preço alto é ruim, o prejuízo do produto ilegal pode ser ainda maior.

  • Na pista da primavera

    Com o Selo Racial – marcado para o próximo dia 27 –, a Trajano Silva Remates dá a largada na temporada de Primavera deste ano. Há 50 anos no mercado, a leiloeira projeta uma estação de vendas de qualidade. Entre os leilões de gado, o diretor Marcelo Silva estima alta de 10% sobre os valores médios do ano passado. Para as fêmeas, prevê grande liquidez, mas estabilidade de preços, que não devem ter alta superior a 5%.
    – Este é um bom ano para quem está à procura de fêmeas, porque a oferta será grande – completa o também diretor Gonçalo Silva.
    O Selo Racial, que reúne as cabanhas Rincon Del Sarandy, Corticeira, Olhos D’Água e Cia Azul, colocará em pista 450 animais das raças angus, brangus, hereford e braford (na foto, o trio grande campeão e melhor fêmea rústica angus da Expoutono 2013). O desafio será repetir o bom resultado do ano passado, quando o leilão faturou R$ 1,96 milhão.

  • As exportações de carne bovina tiveram crescimento de 20,57% em volume, de janeiro a agosto deste ano, somando 944 mil toneladas. Nesses oito meses, a receita foi de US$ 4,168 bi, 14,12% maior na comparação com o mesmo período do ano passado. A expectativa do presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes, Antônio Jorge Camardelli, é fechar 2013 com faturamento superior a US$ 6 bilhões.

  • Com a escala de um gigante

    A parceria fechada entre Associação Brasileira de Angus (ABA) e a JBS deve permitir um avanço entre 15% e 20% do programa de carne certificada da raça. O negócio foi anunciado nesta semana, em São Paulo.
    – Vínhamos negociando essa parceria há seis meses – conta Reynaldo Titoff Salvador, diretor do Programa Carne Angus Certificada.
    Da oferta de cerca de 2 milhões de animais angus e cruza angus disponíveis para abate no país neste ano, cerca de 300 mil, ou seja, 15%, são de animais certificados pelo programa. Conforme Salvador, no primeiro ano da nova parceria, a projeção é de um incremento de 50 mil a 60 mil exemplares.
    Com a JBS, o Programa Carne Angus Certificada, que existe há 10 anos e foi um dos grandes propulsores do desenvolvimento da raça no país, passa a contar com nove frigoríficos parceiros, em um total de 20 plantas industriais distribuídas em sete Estados (RS, SC, PR, SP, GO, MS e MT).

  • As exportações de frango tiveram redução de 2% no volume, somando 2,56 milhões de toneladas entre janeiro e agosto deste ano.
    Em contrapartida, a receita cresceu 8,62%, chegando a US$ 5,413 bi, segundo dados divulgados ontem pela União Brasileira de Avicultura (Ubabef).

  • Inovação internacional

    Trazer processos inovadores na gestão e no manejo da pecuária de corte é o grande desafio dos produtores. Não por acaso, esse é o tema da 8ª Jornada do Núcleo de Estudos de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (Nespro) da UFGRS, nos próximos dias 24, 25 e 26. O evento ganha nova versão com o 1º Simpósio Internacional sobre Sistemas de Produção de Bovinos de Corte.
    – Essa visão de eficiência no processo de produção tem relação com renda – afirma o médico veterinário Silvio Menegassi.
    Quinze especialistas, seis de fora do país, debaterão diferentes aspectos da produção.

  • A superintendência regional da Conab lançou ontem edital de chamada pública, com dispensa de licitação, para a compra de produtos da agricultura familiar (feijão- preto, farinha de milho e macarrão com ovo). Os itens são para ações Ministério do Desenvolvimento Social. O prazo para apresentação dos documentos vai até o dia 27. Informações no site conab.gov.br

Fonte: Zero Hora