INFORME RURAL | GISELE LOEBLEIN

 

  • Em dois modelos, R$ 35 milhões para o parque

    Se a proposta desenhada no projeto de lei que definirá o uso de espaços no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, der certo, R$ 35 milhões começariam a ser usados para modernizar a área só com o acordo negociado com duas entidades.
    Entram nesta conta R$ 20 milhões em financiamento para o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Estado (Simers) e R$ 15 milhões para o projeto da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). Não fazem parte do cálculo verbas já anunciadas – R$ 26,4 milhões, entre obras executadas, com recurso garantido e em execução, como mostrou o Informe Rural.
    A legislação que está sendo costurada autoriza o estabelecimento de um plano diretor, que engloba novos negócios e direito de uso no parque. Pelo texto, o governo estadual recebe aval para fazer contratos – seja por comodato, concessão de uso ou convênio –, com instituições sem fins lucrativos e que estimulem cultura, tradições e agronegócio. É o caso dos atuais quatro grandes usuários: Simers, ABCCC, Farsul e agricultura familiar.
    Trocando em miúdos: o projeto permite a negociação individual com entidades que já usam áreas no Assis Brasil. No caso do Simers, trabalha-se com uma concessão onerosa de 20 anos – ao término desse prazo, as melhorias realizadas são revertidas para o Estado. Os R$ 20 milhões seriam investidos nos primeiros 10 anos, metade para obras definidas pela entidade, metade para investimentos da Secretaria da Agricultura. No caso da ABCCC, a proposta é de 25 anos de uso. Três partes garantiriam os R$ 15 milhões orçados para a arena do cavalo crioulo. São R$ 5 milhões desembolsados pela entidade, R$ 5 milhões via Lei Rouanet e R$ 5 milhões do governo estadual.
    Para que tudo isso ocorra, porém, é preciso que o projeto chegue à Assembleia e seja votado. João Victor Domingues, secretário de assessoramento superior do governador, estima que o documento seja protocolado na próxima semana. Um acordo com os líderes é negociado para apressar a votação. Assim, a sanção poderia ocorrer ainda durante a Expointer. A um mês da feira, lançada oficialmente ontem, começa uma corrida contra o relógio.

  • Soja Intacta RR2 com e sem desconto

    Acabou o mistério. A Monsanto divulgou ontem a política comercial para a soja Intacta RR 2. O preço por hectare será de R$ 115 a ser cobrado na semente. Um bônus de R$ 18,50 por hectare será concedido, por um período de quatro anos, a produtores que assinarem um termo de licenciamento e quitação geral. Na prática, implica a desistência de questionamentos judiciais sobre a cobrança da RR 1.
    – Todo produtor terá de assinar o licenciamento, mas o bônus será concedido só aos que aderirem ao termo de quitação – diz Márcio Santos, diretor de estratégia e gerenciamento de produto da Monsanto.

  • É hora de soltar os balões

    Símbolos do parque Assis Brasil, em Esteio, as três esferas com as cores da bandeira gaúcha se transformaram em balões de festa no slogan da Expointer 2013 – de 24 de agosto a 1º de setembro. A referência é justificada pelo momento histórico do agronegócio, com supersafra de grãos, venda acelerada de máquinas, exportações recordes de commodities e crédito farto destinado ao setor.
    Para consolidar os festejos, a expectativa é de superar o volume de negócios do ano passado, que chegou a R$ 2,036 bilhões, dos quais R$ 2,02 bilhões só em máquinas. O presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas (Simers), Claudio Bier, aposta em uma cifra próxima de R$ 2,5 bilhões. Também otimista, o governador Tarso Genro fala em um acréscimo de R$ 300 milhões só nas vendas de máquinas.
    Na cerimônia de lançamento da feira, ontem, na Casa do Gaúcho, na Capital, o clima festivo foi expressado também com música, na interpretação de canções tradicionalistas pela Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul e pelas Meninas Cantoras de Nova Petrópolis (foto).
    O presidente da Farsul, Carlos Sperotto, afirma que a entidade também irá negociar o uso do espaço no parque da Expointer. A federação já planeja investimentos, como a ampliação da sede.

  • Do tablado para as pistas

    A ginasta Daiane dos Santos, 30 anos, deverá ser vista em outras pistas em breve. Presente no lançamento da Expointer, ontem, a convite da Farsul, a esportista revelou que está aprendendo a montar e planeja comprar um cavalo em breve.
    – Estou começando a conhecer melhor as raças. O árabe é um dos que mais me atrai – contou a ginasta, que está recebendo as aulas de montaria do tio e do namorado, em um sítio da zona sul da Capital.
    Colaborou Joana Colussi

Multimídia

 

Fonte: Zero Hora