.........

Importações de lácteos perdem fôlego, mas déficit na balança do país persiste

.........

O Brasil encerrou março com um déficit de US$ 38,5 milhões na balança comercial de lácteos. O valor ainda é expressivo, mas vem caindo desde o início do ano. Em março, as importações custaram US$ 51,979 milhões (alta de 21,2%) e as exportações renderam US$ 13,432 milhões (aumento de 149%), conforme dados da Secex, compilados pela Viva Lácteos, que representa empresas do setor.

Em volume, houve uma queda de 7,3% nas importações em março na comparação com igual mês de 2016, para 15,719 mil toneladas. Já as exportações subiram 86,8%, para 5,192 mil toneladas.

"As importações estão caindo há cinco meses", observa Gustavo Beduschi, assessor técnico da Viva Lácteos. Em novembro de 2016, custaram US$ 62,4 milhões e em dezembro ficaram em US$ 61,8 milhões. (ver gráfico)

Para ele, uma das razões para essa queda das compras é a valorização, ainda que pequena, dos preços internacionais dos lácteos. Afora isso, a produção de leite também começa a reagir no mercado brasileiro, afirma.

No primeiro trimestre do ano, o Brasil importou 51, 287 mil toneladas de lácteos, um aumento de 54,2% sobre igual período de 2016. Os gastos com as compras de lácteos no exterior subiram 91% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, para US$ 164,310 milhões.

No mesmo período, as exportações de lácteos totalizaram 13,367 mil toneladas, com alta de 12,8% sobre os três primeiros meses de 2016. A receita com as vendas externas teve aumento semelhante, de 12,6%, para US$ 38,963 milhões.

Um destaque nas exportações em março, segundo Beduschi, foram os queijos. As vendas cresceram 66,5%, para 342,6 toneladas. A receita com os embarques de queijo subiu 111,8%, para US$ 1,660 milhões.

Ainda que os volumes de queijo exportados sejam pequenos são importantes porque fazem parte da estratégia de diversificação das exportações pelo setor, que ainda dependem bastante dos embarques de leite em pó e condensado.

Os exportadores também tentam diversificar os destinos para reduzir a "venezuelodependência", que é verdade, diminuiu em decorrência da crise no país vizinho. Em 2015, as importações do país absorviam 75% das exportações brasileiras de lácteos em valor. No ano passado, essa participação caiu para 48%, segundo Beduschi. No primeiro trimestre deste ano, ficou em 21%.

De acordo com o assessor técnico da Viva Lácteos, o Brasil tem conseguido ampliar suas exportações para países árabes e também na América Latina.

(Alda do Amaral Rocha | De São Paulo)

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Fonte : Valor