.........

Grandes Projetos

.........

Tal como acontecia com muitas outras coisas na República Popular, Mao Tsétung deu o tom para o que viria a seguir. "O Sul da China tem muita água e o Norte temmuito pouco", disse o Grande Timoeiro em 1952. "Devemos tentarem prestar um pouco de água do sul para ajudar o norte."Essa foi a inspiração para o mais complexo projeto hidráulico na história do mundo, de US$ 62 bilhões: o Projeto de Transferência de Água Sul-Norte, para aliviara escassez crônica de água dos 500 milhões de pessoas que vivem na planície norte da China. O esquema era tão grandioso e caro que só foi lançado em 2001, em um esforço desesperado para salvar Pequim de sua crise de água.

Os grandes rios da China, com nascentes nas montanhas do Tibete, na maior parte fluem de oeste para leste, enquanto a ontigo sistema de canais ia do sul para o norte. O Projeto de Transferência de Água Sul-Norte moderniza a rota do velho Grande Canal, uma das vias mais importantes do mundo antigo, que se estendia por 1,8 mil km de Hangzhou, no sul, até os arredores de Pequim, na planície do norte, uma distância comparável àquela entre Nova York e a Flórida.

Como a Transferência Sul Norte, o Grande Canal cruzava cinco grandes rios para levar recursos do coração econômico do sul para a capital política do norte.Cerca de 100mil trabalhadores arrastaram cerca de 11 mil barcas ao longo do canal anualmente. "O Grande Khan fez canais muito grandes, tão largos quanto profundos, de um rio para outro e de um lago para outro", escreveu Marco Polo há sete séculos, "e fez a água percorrer os canais como se fossem um grande rio; e grandes navios passam por lá carregados de GRÃOS".

Aço. A indústria de aço chinesa cresceu além dos maiores sonhos de Mao Tsétung, que esperava ultrapassar a Grã Bretanha com as fundições de quintal durante o Grande Salto para Frente. A oferta de aço na China multiplicou-se de apenas 13 milhões de toneladas (MT) em 1965 para 100 MT em 1996 e 700 MT em 2011, a metade da produção mundial. Porém, a água pode ser um fator limitante no futuro. Ao lado de ferro e energia, água é uma das commodities mais críticas, visto que são necessários quatro toneladas de água para a produ- ção de uma tonelada de aço.

Assim como a Grande Muralha, o Grande Canal evoluiu com muitas adições ao longo do tempo: seu segmento mais antigo data do século 4 a.C. Foi preciso engenharia arrojada para conectar rios e lagos com comportas que regulavam os níveis de água, conforme o canal negociava diferenças de altitude ao subir das terras baixas do Delta do Yangtze para o planalto norte.Uma estrada imperial, ladeada de árvores foi aberta ao longo de suas margens, por onde os barcos eram arrastados por trabalhadores e búfalos de água.

Celeiros foram construídos em muitos lugares ao longo da rota, para que o arroz pudesse ser armazenado com segurança se a água transbordasse ou baixasse, impedindo a rotina de transporte. Quando o missionário jesuíta Matteo Ricci viajou para Pequim em um barco ao longo do Grande Canal, em 1598, viu eunucos comandarem flotilhas de barcos carregados de frutas, peixes, roupas, panos de seda, chás e vegetais, e com as cidades ao longo do caminho obrigadas a terem um suprimento de gelo para manter os alimentos frescos.

A modernização da antiga rota do Grande Canal é apenas uma parte de um esquema que abraça cerca de 2,5 mil km de canais em três percursos distintos. Duas vezes o custo da gigantesca represa das Três Gargantas no RioYangtze e dez vezes mais caro que a transposição do Rio São Francisco, no Brasil, o Projeto Sul-Norte passou por50 anos de planejamento e debate antes da construção começar em 2002.

O projeto envolve a ampliação e a modernização do Grande Canal, a transferência de água dos reservatórios de Três Gargantas e Danjiangkou, e a construção de vários túneis, canais e estações de bombeamento, entre eles um túnel de 8 km sob o Rio Amarelo que fará as águas chegarem a Pequim. Metade do custo será gasto na limpeza das águas do rio que, devido a resíduos urbanos e e fluentes de fábricas e da agricultura, foram inutilizadas. A metrópole de Tianjin, perto de Pequim, se recusa a usar águas poluídas da Transferência Sul-Norte; em vez disso, investe em caros processos de dessalinização.

Grandes obras. A Transferência de Água Sul-Norte é um dos vários projetos gigantescos sendo realizado por empresas estatais na China: (1) Cerca de 26 usinas nucleares em construção, além de 15 já em funcionamento e outras 35 aprovadas; (2)De 13 a 15 "termoelétricas à carvão" nas províncias ocidentais, geradoras de eletricidade perto de minas de carvão para enviar centenas de bilhões de quilowatts-horas para cidades do leste como "carvão virtual", utilizando ultra-alta tensão de transmissão (UHV) para aliviar o congestionamento das ferrovias e rodovias no transporte de centenas de milhões de toneladas de carvão físico por toda a China apesar da escassez de água no oeste chinês, que limita o desenvolvimento de carvão; (3) Uma expansão de seis vezes a sua rede de auto estrada,para 65 mil km desde 2000; (4) Construção de dois terços das atuais obras aeroportuárias ao redor do mundo; (5) Colocação de 32 mil km de ferrovia nos últimos cinco anos, incluindo a maior rede ferroviária mundial de alta velocidade com9,7mil km de trilhos colocados e outros 17 mil km em construção.

Em termos de capacidade de utilização, de acordo com um estudo da Morgan Stanley, "as ferrovias da China são provavelmente as mais sobrecarregadas do mundo",incapazes de conciliar o ritmo de crescimento econômico e levando quase quatro vezes mais carga por quilômetro de trilho que os Estados Unidos. Devido à ineficiência, custos com logística na China absorvem 18% do PIB, contra 8% nos Estados Unidos e na Alemanha e 11,6% no Brasil. Grande parte da massiva carga ferroviária é carvão levado para usinas de energia e siderúrgicas por toda a China.

Aldeias do câncer. Ao longo do Grande Canal há uma das maiores concentrações de "vilas do câncer",comunidades principalmente rurais em algumas das regiões mais ricas da China, afetadas por agentes cancerígenos em resíduos industriais (despejados em rios e canais por usinas petroquímicas e elétricas) e em pesticidas utilizados nos campos. Desde os anos 1990, o câncer tornou-se a principal causa de morte na China, comum a incidência a cada cinco mortes. Em comparação com a média mundial, os agricultores chineses são cinco vezes mais propensos a morrer de câncer de fígado e duas vezes mais propensos a morrer de câncer de estômago.

Começando em 1998, reportagens investigativas de meios de comunicação chineses,especialmente a CCTV e a Shibao Shenghuo (Tempos de Vida) encontraram nos arredores de Tianjin a primeira de 459 vilas chinesas com casos de câncer e mortes.

Essas descobertas foram documentadas por outras reportagens e por pesquisas governamentais, que identificaram um "cinturão de vilas do câncer" no leste industrializado da China, onde 84% desses surtos ocorreram."Acredita-se que a contaminação da água pela poluição industrial é a principal causa de câncer nessas aldeias", disse Lee Liu, geógrafo da Universidade Central de Missouri, "e existe uma relação forte entre os grandes rios da China e a localização dos municípios do câncer".

Respondendo as múltiplas ameaças impostas pela degrada- ção ecológica, a China lançou a campanhadelimpezamaisambiciosa em toda a experiência humana.Deacordocomseu 12ºPlano Quinquenal (2011-15), a Chinairia:(1) reduzirasemissõesde poluentes, especialmente metais pesados, produtos químicos perigosos e poluentes orgânicos; (2) proteger água potável; (3)atualizarinfraestruturaurbana; (4) fechar indústrias obsoletas de produção de aço e ferro, metais não ferrosos, materiais de construção, produtos químicos, papel, carvão e corantes. O Plano estabelece suas metas detalhadamente.

No entanto, no passado, esses esforços foram atrapalhados pela sobreposição de responsabilidades entre os governos central, provincial e local para a gestão dos recursos hídricos. A responsabilidade dos problemas com água é compartilhada pelos ministérios dos Recursos Hídricos, da Proteção Ambiental e do Desenvolvimento Urbano.

Esses ministérios decretam planos e metas a serem realizados por governos provinciais e locais, que arcam com parte do financiamento. Porém, o poder real é local. Políticas e metas anunciadas pelo poder central podem se chocar com interesses locais. Essas dificuldades no exercício de política hidráulica afligem vários países, entre eles Brasil, Estados Unidos e Índia.

Despreparo. A maioria das cidades chinesas está mal equipada tecnicamente para tratar da poluição das águas. "Apenas 40% das cidades podem testar todos os 106 critérios listados", disse Song Lanhe, cientista chefe do centro governamental de monitoramento de qualidade de água, em Pequim. "O resto terá que mandar amostras para cidades próximas testarem, ou conduzir testes incompletos." Um dos principais teatros desta luta é a Bacia do Rio Huai. O maior celeiro da China e lar de 170milhões de pessoas é cenário de muitas calamidades naturais provocadas pelo homem na confluência central entre os Rios Amarelo e Yangtze. Em 1950, Mao Tsé-tung comprometeu-se a "arrear o Huai", algo que imperadores anteriores falharam em fazer, de acordo com um de seus subordinados.

O presidente Mao, falou sobre a história da China e enfatizou que a área do vale do Rio Huai era um lugar onde os camponeses organizavam levantes contra os regimes existentes e de onde muitos imperadores surgiram. Levando em conta que a região é muito pobre e frequentemente visitada por desastres naturais, que acarretam problemas para o governo, os camponeses dessa área são conhecidos por se rebelarem, especialmente quando estimulados por desastre e fome.

Houve muitos desastres. Em 1194, décadas antes de Kublai Khan fundar sua dinastia em Pequim, o Amarelo ultrapassou suas margens e se acomodou no canal do Huai, uma das 1.590 vezes que transbordou e uma das 26grandesmudançasemseucurso nos últimos 2,5 mil anos, que bloqueou a vazão do Huai para o mar e depositou tanto sedimento que,700anosdepois,oAmarelo foi forçado a voltar ao seu antigo canal. Entre julho e agosto de 1931, após três anos de seca, um dilúvio alimentado por chuvas torrenciais e derretimentos de neve tomaram a Bacia do Huai, afogando milhões e matando outros mais por cólera e tifo. Em 1938, para impedir o avanço das tropas japonesas, o general Nacionalista ChiangKai-shekordenou o alagamento da região através da explosão dos diques do Amarelo, afogando milhares de camponeses e deixando muitos outros desabrigados.

No meio século após 1950, o novo regime comunista investiu pesadamente na prevenção de desastres na Bacia do Huai,construindo5,7mil reservatórios,escavando2.164quilômetrosdecanais, reforçando 50 mil km de barricadas e preparando 9 milhões de hectares para irrigação.

Fotos de milhares de camponeses construindo barragens com pouco mais que as próprias mãos provocaram espanto e admiração ao redor do mundo. No curso superior do Huai, 13 grandes barragens foram construí- das com capacidade de armazenamento de 9,4 bilhões de metros cúbicos em meados dos anos1970, deixando oficiais confiantes de que o Huai seria finalmente arreado. Mas um tufão varreu a região em agosto de 1975earruinouduasgrandesbarragens construídas apressadamente durante o Grande Salto para Frente, liberando uma parede de água de dezenas de metros de altura e afogando pelo menos 86 mil pessoas, segundo estimativas oficiais. A Agência New China News reportou: "Devido a falta de dados hidrográficos e a pressa para começar a construção, os padrões de alguns projetos importantes de conservação foram muito baixos e a sua qualidade também, enquanto os locais dos reservatórios foram impropriamente selecionados".

Milhões de pessoas fugiram da Bacia do Huai, que se tornou a principal fonte de migração interna na China.O chefe do Partido Comunista da província de Henan disse que apenas em 2008aprovínciaexportou21milhões de pessoas. "Foi a reserva humana que abasteceu cidades como Xangai com mão de obra barata", observou Jonathan Watts, do The Guardian. "Havia poucas razões para ficar. A área era frequentemente alagada por enchentes. Na era pós-reforma, se tornou sinônimo de doenças e poluição". "O esgoto no Rio Xiang continua a exceder os ní- veis", disse o gerente da estação de monitoramento de água na província de Hunan. "Mercúrio, arsênico, cádmio e outros metais pesados excederam seus níveis devido às descargas de fábricas corrente acima." Respondendo a agitação pública sobre condições como essas, o governo anunciou em junho de 2012 um Plano de Ação Nacional de Direitos Humanos (2012-15) de 13 mil palavras, expandindo o plano anterior (2009-10). O novo projeto cobre uma ampla gama de assuntos, incluindo padrões de vida, segurança social, saúde, educação e direitos dos presidiários e das minorias.

Documentos como esse, na China, são preparados com cuidado, a partir de um fluxo prodigioso de memorandos, relatórios e rascunhos entre burocracias do Partido e dos governos nacional e provincial e de seus vários institutos de pesquisa.Este tenta definir os direitos da cidadania, um conceito ainda alheio à civilização chinesa.

"A China vai promover a construção de uma rede de monitoramento para a segurança da água potável", diz o plano, "e fazer essa cobertura se estender para todas as cidades divididas em distritos em mais de 90% dos condados até 2015. A população rural com acesso ao suprimento de água centralizado crescerá para 80%".O Banco Mundial culpa os "vários fracassos institucionais e políticos" pela penetrante poluição das águas na China, incluindo a cumplicidade com a fraca execução da lei, falhas na operacionalização de planos de controle e de prevenção, falta de incentivos no tratamento de águas residuais e conflito com interesses locais, como fábricas cujos donos são governantes de cidades e vilas.

A Bacia do Huai que, em 2005, tinha 85% das águas impróprias para consumo humano mesmo após tratamento, foi a primeira região em que maiores investimentos em controle da poluição foram feitos. Milhares de fábricas de produtos químicos e de papel e celulose foram fechadas nos últimos anos, mas resíduos domésticos e de fazendas ultrapassam em muito a poluição industrial.A densidade populacional e o surgimento de uma atividade econômica apresentam desafios de inspeção e execução talvez maiores que aqueles apresentados ao controle de desmatamento na Amazônia.

Fonte: O ESTADO DE S. PAULO – SP Editoria: ESPECIAL PLANETA