.........

Gisele Loeblein: operações contra fraude no leite para chamar atenção da população

.........

"Foram presas mais de 40 pessoas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. E os caras não param", comenta promotor

17/12/2014 | 21h53

Em mais um desdobramento das investigações de fraudes no leite, a Polícia Federal (PF), respaldada pelo Ministério Público Federal (MPF), protagonizou a ação que resultou na prisão de um e no afastamento de outros quatro servidores federais. A suspeita apurada é a de que participariam de um esquema de cobrança de propina para fazer vistas grossas a problemas verificados no alimento.

O caso corre em segredo de Justiça e a PF optou por não divulgar nomes dos investigados e das empresas. Questionado sobre se esse formato não acaba colocando sob suspeita todos que atuam na região – funcionários do Ministério da Agricultura e indústrias –, o procurador da República Cláudio Terre do Amaral, explica:

– Essa medida visa preservar a coleta de provas. Enquanto não há prova contundente da participação das empresas, achamos temerário divulgar os nomes.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora

A suspeita sobre o esquema foi levantada a partir das operações Leite Compen$ado. Alguns episódios, envolvendo duas empresas do Vale do Taquari, acabaram fazendo com que o Ministério Público Estadual (MPE) desconfiasse da possibilidade de estar ocorrendo vazamento de informações.

– A gente chegava lá e parecia que estavam nos esperando – afirma o promotor Mauro Rockenbach.

Alertada, a PF foi acionada porque as denúncias envolviam servidores federais. Sobre a ampla divulgação em ações envolvendo o leite tanto Rockenbach quanto Amaral afirmam que há necessidade de se fazer o alerta do problema à população.

– É que são coisas graves, não tem como não divulgar para a comunidade – pontua o procurador.

Além disso, a divulgação da informação mostra o que está sendo feito e encoraja novas denúncias, na avaliação de ambos.

– Já foram presas mais de 40 pessoas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Teve gente condenada, e os caras não param – observa Rockebach.

Fonte: Zero Hora