.........

Gisele Loeblein: mais ferramentas para o monitorar o transporte de leite

.........

Entre equipamentos em teste estão aparelho que faz controle da quantidade de alimento entregue e coleta automática de leite que vai para análise

25/09/2014 | 22h17

Apontado nas ações do Ministério Público Estadual que detectaram fraudes como um dos pontos frágeis no caminho entre a propriedade e a indústria, o transporte do leite no Estado deve colocar em teste, dentro de um período de até 60 dias, ferramentas para monitorar o alimento.

Leia todas as últimas notícias de Zero Hora

Segundo Darlan Palharini, secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat-RS), três equipamentos – um português e dois nacionais –, serão testados em parceria com a Embrapa de Pelotas.

O aparelho fabricado em Portugal faz o controle da vazão (quantidade entregue) e coleta automática da amostra de leite que vai para análise. Com isso, não há contato direto do transportador com o leite. O produtor fica ainda com um recibo que mostra a quantidade entregue. Hoje, o processo é feito manualmente. A BRF já testou o recurso em uma unidade no Paraná e atualmente a gaúcha CCGL está usando.

– Desde março, estamos testando em um caminhão. O sistema permite a transmissão online dos dados, e o freteiro não coloca mão no produto – explica Caio Vianna, presidente da CCGL.

O Sindilat solicitou ao ministro da Agricultura, Neri Geller, em conversa informal na Expointer, que se analise a possibilidade de isenção da taxa de importação dos equipamentos e benefícios para os nacionais. A intenção é reduzir o custo da tecnologia: R$ 120 mil a importada e entre R$ 60 mil e R$ 40 mil os nacionais.

A indústria também está cobrando uma resposta do pedido enviado ao Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura em abril. No documento, há várias reivindicações. Uma é para que a análise de itens relacionados à fraude possa ser feita em produto congelado. O argumento é de que, hoje, a amostra de leite cru tem de ser avaliada em 48 horas e, em caso de dúvida, não há como repetir o exame. Isso impede, segundo Palharini, a contestação.

O ministério disse que só poderia se posicionar sobre o pedido nesta sexta-feira.

Fonte: Zero Hora