.........

Gigante em captação e vendas

.........

Com a aquisição de 100% da Itambé Alimentos, a Lactalis vai se tornar líder na captação de leite no país, ultrapassando a suíça Nestlé. Conforme o último ranking da Leite Brasil, a Lactalis captou no ano passado 1,622 bilhão de litros de leite, atrás da Nestlé, que comprou 1,690 bilhão de litros de produtores e cooperativas. Em terceiro veio a Itambé/CCPR, com 1,104 bilhão de litros. Assim, a estimativa é que a captação conjunta de Lactalis e Itambé fique ao redor de, ao menos, 2,7 bilhões de litros anuais.

Segundo fontes próximas à companhia, o negócio também dará a Lactalis o maior faturamento do setor de lácteos no país. Conforme dados divulgados pela Lactalis, a Itambé tem receita anual de R$ 2,7 bilhões. Já a operação da Lactalis na América Latina, que inclui o Brasil, teve receita líquida de quase R$ 3,7 bilhões nos primeiros nove meses deste ano. No mundo, a francesa fatura € 17,3 bilhões por ano.

Considerada "uma tacada de mestre" por alguns observadores do mercado de lácteos, a aquisição da Itambé é importante para a Lactalis pois permitirá à empresa avançar numa região onde ainda tem pouca presença no Brasil. Atualmente, a Lactalis capta 60% do leite que processa no Rio Grande do Sul. Com a Itambé, terá um total de 18 unidades e irá ampliar as compras de matéria-prima nas bacias leiteiras de Minas Gerais e Goiás.

No comunicado, a Lactalis diz que a aquisição da Itambé trará "uma grande complementaridade geográfica e de produtos". De fato, os produtos da Itambé têm forte presença em Minas Gerais, Rio de Janeiro e também no Nordeste. A francesa chegou ao Brasil em 2013, com a compra da Balkis. Em 2014, adquiriu ativos da LBR e as operações de lácteos que da BRF.

A virada da Lactalis, que perdeu a Vigor, mas ficou com a Itambé, por certo, não agradou à Lala, afirmaram fontes do setor. Sem a Itambé, a avaliação é de que a empresa de lácteos pagou caro pela Vigor. Além disso, a Lala amarga a terceira tentativa frustrada de comprar o laticínio mineiro.

Para Valter Galan, analista da MilkPoint, consultoria especializada em lácteos, a tendência é que a Lala continue a olhar possíveis aquisições no país, uma vez que ficou menor do que esperava inicialmente no Brasil. "O apetite [por compras] não vai acabar".

A decisão da CCPR de vender toda a Itambé logo após reassumir seu controle também surpreendeu. A avaliação no mercado é de que parte dos recursos da venda deve ser usado pela central e pelas cooperativas para quitar dívidas.

Em comunicado, a CCPR disse que "após retomar o controle da Itambé, pôde escolher o melhor parceiro para o futuro". Segundo a nota assinada pelo presidente Marcelo Candiotto, o negócio "fará com que a Itambé retome sua trajetória de sucesso, crescimento e rentabilidade, beneficiando seus consumidores, as cooperativas associadas da CCPR e seus mais de 6.000 produtores de leite".

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Fonte : Valor