.........

Geada atinge cafezais do Paraná, mas danos devem ser minimizados

.........

Condição climática de nebulosidade diminuiu intensidade do fenômeno, que pode provocar perdas parciais como a queima de folhas

por Globo Rural On-line, com informações da Estadão Conteúdo

Editora Globo

Técnicos estão nos campos colhendo informações mais precisas sobre as consequências das geadas

A condição climática de nebulosidade pode ter minimizado os danos provocados pelas geadas nas lavouras de café do norte do Paraná na madrugada desta quarta-feira (24/7). Para ocorrência de geadas, entre outros fatores, a temperatura deve cair abaixo de 4 graus e a noite deve ter céu claro, sem ventos e baixa umidade do ar.
O meteorologista da Somar Meteorologia, Celso Oliveira, informa que os primeiros relatos de agrônomos da Cooperativa dos Cafeicultores de Mandaguari (Cocari) indicam perdas parciais nos cafezais. "Aparentemente, houve queima das folhas, principalmente na metade superior de algumas plantas. Os técnicos estão ‘rodando’ pelo campo e informações mais precisas devem chegar ao longo dos dias. Conforme os relatos, o prejuízo pode ter sido minimizado pela condição climática de nebulosidade na noite de ontem (23)", diz Oliveira. Em Mandaguari, a mínima na madrugada alcançou 3 graus negativos, na relva.
Conforme informações da Somar, com base em dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a temperatura mínima na madrugada alcançou 0,5 grau em Ibaiti, 1,5 grau em Maringá e 2 graus em Londrina. O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e o Instituto Simepar informaram que permanece o risco de geadas em toda a região cafeeira paranaense na madrugada desta quinta-feira e que o alerta de geada está mantido.
Os produtores paranaenses colhem safra de café estimada em 1,7 milhão de sacas de 60 kg, ou cerca de 3,5% do total nacional. O Estado é o quinto principal produtor do País, atrás respectivamente de Minas, Espírito Santo, São Paulo e Bahia.
São Paulo e Minas

No sudoeste de São Paulo, não há, por enquanto, relatos de danos aos cafezais provocados por geada. A mínima alcançou 2,5 graus em Avaré e 1,5 grau em Ourinhos.
Conforme Oliveira, a tendência agora é de elevação gradual da temperatura. O maior risco de geada ficou para trás, na madrugada desta quarta. A frente fria, no entanto, está estacionada na divisa entre São Paulo e Minas. Deve chover nas lavouras de café da mogiana e do sul de Minas, pelo menos até sexta-feira (26).

Fonte: Globo Rural