.........

FORÇA DO CAMPO | Os retratos da recuperação

.........

Empolgados com os resultados da supersafra, governo, produtores e empresários lançam hoje a Expointer 2013 com expectativas de negócios recordes impulsionados por bons preços para os produtos agrícolas e oferta de crédito para máquinas e equipamentos, o que deve promover uma festa para o agronegócio gaúcho em Esteio
A Expointer que será lançada hoje com a pompa e a circunstância do otimismo, em Porto Alegre, deverá consolidar a recuperação do agronegócio no Rio Grande do Sul.
Graças a uma rara conjunção – boa safra, valorização da soja no mercado internacional, clima favorável e amplo financiamento aos produtores –, os negócios poderão superar as cifras do ano passado, quando foi rompida a barreira dos R$ 2 bilhões.
Marcada para ocorrer de 24 de agosto a 1º de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, a Expointer vai assinalar a retomada do vigor no campo após as quebras de safra de 2012. Para o secretário da Agricultura do Estado, Luiz Fernando Mainardi, será uma feira para se comemorar o que define como “ano espetacular” para o setor.
– O desempenho da agricultura e da pecuária estabiliza a economia gaúcha – destaca Mainardi.
O campo é o motor da economia gaúcha. Representa um quarto do Produto Interno Bruto (PIB), e tem o poder de alavancar a indústria e a área de serviços. Levantamento da Fundação de Economia Estatística (FEE) aponta que, na última década, vigorou a máxima de que o PIB gaúcho cresce mais do que o brasileiro quando a agropecuária foi bem.
O agronegócio apresentou taxas positivas nos anos de 2001, 2003, 2006, 2007, 2009, 2010 e 2011. Quando houve estiagem e colheita escassa, o PIB do Estado encolheu mais do que o nacional. O economista da FEE Sérgio Fischer prevê que 2013 será de retomada do desenvolvimento, após a frustração do ano passado.
– O PIB gaúcho poderá ter um crescimento maior do que o do Brasil – analisa.
A coordenadora do Núcleo de Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-Sul), Maria Flávia de Figueiredo Tavares, acrescenta que não apenas a safra de grãos turbina a economia. Lembra que a produção de citros, vinhos e carnes se expandiu, aderindo a novas tecnologias.
– O agronegócio vem com força maior, de uma forma mais empresarial – observa.
Produtores estão alentados. O presidente da Comissão de Feiras e Exposições da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Francisco Schardong, diz que a Expointer vai ser a vitrina para a América do Sul. Promete que o evento será ainda mais dinâmico e inovador, com destaques para irrigação, agricultura de precisão e intercâmbio com outros países participantes.
nilson.mariano@zerohora.com.br

vagner.benites@zerohora.com.br

NILSON MARIANO E VAGNER BENITES

Fonte: Zero Hora