Florada da próxima safra de café já está no radar dos produtores do país

Colheita da safra atual de café em Machado, no Sul de Minas Gerais: atraso das chuvas no ano passado prejudicou a florada e reduziu o tamanho dos grãos
A colheita da safra 2015/16 de café arábica ainda não terminou no país mas o próximo ciclo, o 2016/17, já entrou na radar dos produtores e de analistas do setor. A razão é que entre setembro e outubro acontece a florada dos cafezais, e a ocorrência de chuvas é fundamental nesse período pois é um dos fatores que definem como será a produção.

No ciclo que está sendo colhido, faltou chuvas exatamente na fase de florada nas regiões produtoras de café arábica, o que levou a uma maior ocorrência de grãos miúdos, com reflexos para a produtividade da safra. O tamanho real do impacto ainda não é conhecido, mas a problema está bem vivo na cabeça do cafeicultor. "Nas duas últimas safras, tivemos problemas por causa da falta de chuvas", observa Silas Brasileiro, presidente do Conselho Nacional do Café (CNC).

Por enquanto, a previsão é de chuvas irregulares em setembro, o que poderia levar a alguma perda na florada, afirma Marco Antônio dos Santos, agrometeorologista da Somar. Mas isso não gera grande preocupação. "O problema é se entrar outubro seco também, se não chover depois de 25 de setembro", acrescenta o agrometeorologista.

Segundo ele, desde maio acontece a indução floral do café e entre julho e agosto houve o desenvolvimento dos botões, "que estão prontos, esperando a florada". Caso não haja chuvas no momento certo, o "pegamento" das flores pode não ocorrer e pode haver alguma quebra, explica.

Silas Brasileiro, presidente do CNC, considera que "se houver chuvas até meados de setembro, teremos uma florada normal e um pegamento normal". Ele acrescenta que nas várias regiões de produção do Brasil, como Minas Gerais e São Paulo, os botões florais estão prontos para abrir, e diz que para uma boa florada são necessárias chuvas regulares e volumosas.

Foi isso que faltou no período da florada da safra que está sendo colhida. As lavouras também sofreram com um veranico entre dezembro de 2014 e fevereiro deste ano. "Os grãos que estão sendo tirados dos cafezais estão mais miúdos. São necessários de 600 a 700 litros para encher uma saca de 60 quilos. Normalmente, seriam necessários 480 litros", afirma o presidente do CNC. Os grãos maiores são mais valorizados na hora da comercialização.

Em decorrência desse cenário, afirma Brasileiro, o CNC estima que a safra 2015/16 deve ficar em 40 milhões de sacas. A última previsão da Conab, de junho deste ano, é de uma colheita de 44,28 milhões de sacas. Os números incluem café arábica e robusta.

Gil Barabach, analista de café da Safras & Mercado, avalia que ainda é cedo para falar sobre a florada da próxima safra de café, mas observa que os meses de julho e agosto "quase sem chuva" e com temperaturas acima do normal para a época são um fator "ruim para as plantas".

O início da florada do café nesta semana não está descartado, uma vez que há previsões de chuva nas principais regiões produtoras do Brasil, como Sul de Minas e São Paulo. "Caso a chuva venha com volumes elevados, perto de 20 mm, pode ocorrer abertura das flores", observa Santos, da Somar.

Essa antecipação, no entanto, não é prejudicial, diz. "Os botões florais estão maduros, dentro do normal. Não tem nada demais para o café", afirma, observando, contudo, que as temperaturas estão acima da média para o período.

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo
Fonte : Valor