Fixação biológica de nitrogênio reduz CO² na atmosfera

Projeto da Embrapa e da ANPII mostram como a prática pode beneficiar a agricultura de forma sustentável

por Globo Rural On-line

Arquivo/Globo Rural

A fixação biológica de nitrogênio é o processo pelo qual este elemento químico é captado do ar, e convertido em amônio ou nitrato

Uma campanha de conscientização focada nos produtores de soja, feijão e milho começa a ser trabalhada nesta semana pela Embrapa e pela Associação Nacional de Produtores e Importadores de Inoculantes (ANPII). O objetivo é difundir esta tecnologia Fixação Biológica de Nitrogênio, ou FBN, como uma importante aliada na redução de custos e aumento de produtividade.
Para este novo projeto, chamado “Inoculantes e a sustentabilidade da agricultura: bom para o agricultor, bom para o Brasil!”, a Embrapa Sede tem o apoio de pelo menos 14 de suas unidades (Agrobiologia, Agropecuária Oeste, Amazônia Oriental, Arroz e Feijão, Cerrados, Clima Temperado, Meio-Ambiente, Meio-Norte, Milho e Sorgo, Soja, Trigo, Agrosilvopastorial, Rondônia e Semi-árido). A idéia é incentivar a adoção da prática, que reduz os custos de produção e eleva a produtividade.
A fixação biológica de nitrogênio (FBN) é o processo pelo qual este elemento químico é captado da atmosfera, onde se caracteriza pela sua forma molecular relativamente inerte (N2) e é convertido em compostos nitrogenados (como amônio ou nitrato) usados em diversos processos químico-biológicos do solo, especialmente importantes para a nutrição de plantas.
Para o Presidente da ANPII, Roberto Berwanger Batista, será importante nos próximos anos aumentar a adoção da tecnologia de inoculantes com base no processo de FBN. “Buscamos, com a iniciativa, prover o conhecimento necessário para desenvolver uma agricultura com baixa emissão de carbono, em consonância com os compromissos assumidos pelo Programa ABC (Agricultura
de Baixa Emissão de Carbono
) nas culturas de soja, feijão-comum, feijão-caupi e milho”, explica.
No Brasil, a agricultura é responsável por cerca de 30% do PIB, sendo desejável reduzir os custos de produção, aumentar a produtividade e minimizar os impactos ambientais. Hoje, 100% das plantações de soja do país se beneficiam da Fixação Biológica de Nitrogênio – processo realizado por bactérias presentes no solo, que se associam às raízes das plantas, captam e transformam o nitrogênio do ar.

“No entanto, para outras culturas as redes de Transferência de Tecnologia de Inoculação ainda são tímidas ou inexistentes – embora já tenha havido um grande avanço em termos de pesquisa e inovação nessa área”, avalia o presidente da ANPII.

Você conhece o Prêmio Fazenda Sustentável?

O Prêmio Fazenda Sustentável, uma iniciativa da revista GLOBO RURAL. O objetivo é eleger as propriedades rurais que apresentem a melhor performance em sustentabilidade entre as inscritas. Abrange quatro categorias – cultivos anuais (algodão, milho, soja, trigo, arroz e feijão), cultivos perenes e semi-perenes (café, laranja e cana), pecuária (gado de corte) e floresta plantada (pinus e eucalipto).
As inscrições podem ser feitas pelo site www.fazendasustentavel.com.br até o dia 20 de agosto. Os candidatos aprovados nesta etapa passam para a segunda fase, também online e mais detalhada, que começará no dia 21 de agosto e vai até o dia 15 de setembro. A terceira etapa consiste numa visita técnica às fazendas finalistas.
A metodologia para a avaliação e seleção dos premiados foi elaborada por especialistas em sustentabilidade da Fundação Espaço ECO e do Rabobank e contempla os pilares ambiental, social e econômico. Basf, Jonh Deere e Rabobank patrocinam o evento.

Fonte: Globo Rural