.........

FEIRAS – Andav discute gestão estratégica na distribuição de insumos

.........

Congresso da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários começa nesta segunda e vai até o dia 16 de agosto em São Paulo

agricultura_fertilizantes (Foto: Thinkstock)

Mercado de insumos como fertilizantes movimentou cerca de R$ 47 bilhões na safra passada (Foto: Thinkstock)

A Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (Andav) realizará na próxima semana a sétima edição de seu congresso anual. O evento, que acontece entre os dias 14 e 16 de agosto em São Paulo, tem como objetivo levar aos distribuidores os desafios de mudança organizacional, inovação, sustentabilidade empresarial, desenvolvimento de equipes, motivação e liderança sobre o setor no Brasil e no mundo.

“Somos o elo entre os fabricantes de insumos em geral. O congresso é direcionado ao empresário da distribuição. É uma oportunidade de relacionamento entre empresários da área e fornecedores. As palestras irão ampliar o conhecimento e fazer análises que envolvem a distribuição no seu dia a dia”, diz o presidente executivo da Andav, Henrique Mazotini.

A associação tem mais de 1600 associados presentes em 24 Estados brasileiros. São cerca de 87 mil profissionais que trabalham direta ou indiretamente no setor de revendas, com impacto para a vida de 35 mil famílias. O setor é responsável por 70% dos insumos comercializados no país. Na safra 2016/2017, as revendas faturaram de R$ 47 bilhões entre insumos, sementes, fertilizantes e defensivos, medicamentos veterinários, máquinas e implementos.

Todo esse mercado será amplamente discutido no congresso. “Tudo o que preconizamos para os defensivos nas edições anteriores já está acontecendo. Falamos das consolidações e previmos que as empresas do setor seriam adquiridas por fundos de investimento”, diz Mazotini, ressaltando a importância do evento.

Segundo o executivo, isso só foi possível graças a processos de gestão, balanço, auditoria, governança e programas de sucessão que visam a profissionalização de uma empresa altamente responsável pela transferência de tecnologias para que o agricultor produza cada vez mais e melhor.

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : Globo Rural