.........

FAO já não vê crise de preços dos alimentos

.........

O índice global de preços de alimentos da FAO, a agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação, ficou estável em agosto, como antecipou o Valor. O indicador, que mede a evolução mensal dos preços de uma cesta formada por cereais, oleaginosas, lácteos, carnes e açúcar, subiu 6% em julho, após três meses de quedas, e voltou a motivar preocupações sobre uma nova crise de preços como a de 2008.

Mas na manhã de quinta-feira, em Roma, o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, tomou a iniciativa de anunciar pessoalmente a estabilidade do índice em 213 pontos no mês passado. "Essas cifras são tranquilizadoras. Devemos continuar vigilantes, mas não se justifica falar de crise alimentar mundial", afirmou Graziano. "Mas a comunidade internacional pode e deveria intervir para apaziguar o mercado", disse.

Para a agência da ONU, os países importadores não devem entrar em pânico e acelerar as compras, o que ajuda a impulsionar os preços. E os exportadores não devem impor restrições a suas vendas, como aconteceu na crise de 2008. Entre os grupos de produtos que compõem o índice da FAO, os destaques de agosto foram a estabilidade dos preços médios dos cereais e das oleaginosas e uma forte retração das cotações do açúcar, contrabalançada por aumentos observados nos mercados de carne e produtos lácteos.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2822352/fao-ja-nao-ve-crise-de-precos-dos-alimentos#ixzz264V11ADE

Fonte: Valor | Por Assis Moreira | De Genebra