Falta de armazéns preocupa produtores de milho

Silos têm capacidade para 150 milhões de toneladas, mas colheita deve passar de 200 milhões de toneladas

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Dólar assegura competitividade do milho brasileiro
MT: Colheita do milho safrinha atinge 78,62%
Agricultores estão preocupados com a falta de armazéns para guardar a colheita da segunda safra de milho enquanto o produto não é comercializado. Segundo o vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), João Carlos Werlang, como não há espaço nas propriedades, já tem espiga caindo do pé.

– O produtor está procurando colher na hora certa para armazenar. Agora, em certas regiões, o problema maior é a armazenagem. Então tem que armazenar a céu aberto, corre risco.Tudo isso dificulta para o produtor, tudo isso tem custo – afirma.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os silos brasileiros têm capacidade para estocar pouco menos de 150 milhões de toneladas, mas a colheita total estimada para a safra 2014/2015 ultrapassa 200 milhões de toneladas. Para a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o maior déficit está nas regiões Norte e Nordeste do país.

– Nós temos um déficit de, mais ou menos, 90 milhões de toneladas. Em razão disso, a maioria não está situado na região Norte e Nordeste do país. Então teriam que ser instalados armazéns nessas regiões, principalmente agora que o Matopiba é considerado a última fronteira agrícola em expansão no mundo – diz a assessora de logística e infraestrutura da CNA, Elisângela Lopes.

Logística e crédito

Outro problema apontado pelos produtores é a dificuldade de enviar o milho para outros estados.

– Estamos tentando arrumar outros compradores pra outros estados, pra tentar mandar esse milho pra fora. No caso do Distrito Federal, a gente tinha um benefício que a gente pagava 1% o ICMS. Temos outro problema agora, derrubaram esse 1%, o nosso agora tem que ser 12%, então às vezes fica inviável mandar milho pra fora porque você tem que pagar muito imposto e o preço do milho ta relativamente baixo, então você tem problema pra mandar, mandar esse milho pra fora – afirma o produtor Rodrigo Werlang.

Os produtores também reclamam sobre a burocracia para acessar o crédito destinado à construção de armazéns. Neste Plano Safra, foram disponibilizados R$ 2 bilhões para essa finalidade.

– O produtor leva documento, aí chega no outro ano tem que levar de novo, comprovar isso, comprovar aquilo. É muito complicado. É muita burocracia para resolver os financiamentos, até que seja aprovado demora na construção, aí chega na hora tarde, na maioria das vezes, os investimentos – diz o vice-presidente da Abramilho.

Fonte : Canal Rural