.........

Exportação de soja dos EUA supera expectativas

.........

Se por um lado o aumento da safrinha de milho no Brasil nos últimos anos ampliou a oferta global do cereal e afetou a estratégia americana de comercialização nesse mercado, por outro a expansão da colheita de soja nos EUA nos últimos anos passou a pesar no tabuleiro da oleaginosa num momento em que o comando do jogo é da América do Sul.

Essa interferência é flagrante nesta safra 2016/17, encerrada no Hemisfério Norte no segundo semestre do ano passado e já na reta final no Hemisfério Sul. Recorde, o conjunto da produção, por si só, já tem sido um fator "baixista" sobre as cotações nos polos agrícolas do Brasil. Mas com o ritmo ainda forte das exportações dos EUA, o espaço para a valorização do grão está ainda menor.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) estima que a safra mundial de soja somará 346 milhões de toneladas em 2016/17, puxada por americanos (33,9% do total) e brasileiros (32,1%). E projeta as exportações do Brasil em 61,9 milhões de toneladas, ante 55,1 milhões dos EUA. Ocorre que, segundo o USDA, do início do ciclo (setembro) até 6 de abril os EUA embarcaram 55,5 milhões de toneladas, e têm estoques à disposição para ampliar as vendas nos próximos meses.

Nesse contexto de oferta confortável para os importadores – a China lidera as compras -, o espaço para altas é limitado no Brasil. O indicador Esalq/BM&FBovespa para a saca de 60 quilos no porto de Paranaguá (PR) ronda atualmente os R$ 66, cerca de R$ 10 a menos que no mesmo período de 2016. E os produtores estão segurando ao máximo suas vendas. As exportações estão volumosas porque a safra é vultosa, mas o ritmo poderia estar ainda mais acelerado.

Em algumas regiões, o movimento está até menor que no ano passado. Levantamento da concessionária Rota do Oeste, que administra o trecho da BR-163 entre os municípios de Itiquira e Sinop, em Mato Grosso, apontou queda de 14% no fluxo de veículos no primeiro trimestre. Assim, crescem as preocupações em torno da armazenagem desses grãos, já que vem por aí uma também polpuda safrinha de milho.

Por Fernanda Pressinott e Fernando Lopes | De São Paulo

Fonte : Valor