Exportação de açúcar dá sinais de esfriamento

Fonte:  Valor | Por Fabiana Batista | De São Paulo

As exportações de açúcar, que estão 7% menores do que no ciclo passado nesta safra, mostram perda de vigor. Ontem, os portos brasileiros tinham navios programados para embarcar metade do volume agendado há um ano. O mercado acredita que esse enfraquecimento não se limitará à atual safra. A próxima temporada também deve ser de produção e embarques mais fracos da commodity.

Havia ontem, nos portos do Centro-Sul e do Nordeste, programação para embarque de 1,19 milhão de toneladas nas próximas semanas, segundo levantamento feito pela SA Commodities. Em 4 de outubro do ano passado, estavam programadas exportações de 2,73 milhões de toneladas.

Dados da Secex/MDIC mostram que em setembro o volume embarcado foi 18% menor do que em igual mês de 2010. Foram 2,79 milhões de toneladas de açúcar, ante 3,3 milhões de toneladas registradas um ano antes.

Ampliar imagem

No acumulado da atual temporada, a 2011/12, ou seja, entre maio e setembro, o Brasil embarcou 13 milhões de toneladas de açúcar, 7,1% menos do que as 14 milhões de toneladas exportadas no mesmo intervalo de 2010.

A quebra na safra de cana – causada por uma série de fatores, que vão desde falta de investimentos em canaviais nos últimos anos até ocorrência de geadas – é a principal razão para os menores embarques, segundo Mário Silveira, da FCStone.

Podem estar ocorrendo também, segundo ele, casos pontuais de usinas renegociando a colocação de açúcar de exportação no mercado interno, que paga atualmente 2% mais do que o produto de exportação, segundo cálculos do Cepea referente à semana de 26 a 30 de setembro. A conta considera US$ 100 por tonelada de custos de colocação no porto e prêmio de qualidade de US$ 90,00 por tonelada.

"Pela primeira vez em 17 anos, o Brasil não entregou açúcar na bolsa de Nova York no vencimento da tela de outubro. Isso é um sinal de que o mercado físico está mais aquecido", avalia Silveira.

De qualquer forma, não são esperadas grandes mudanças na oferta de cana no Brasil para 2012, afirma Plínio Nastari, presidente da Datagro. E com o aumento da produção do adoçante na Rússia, na União Europeia, na Índia e na Tailândia, é possível que a diferença de remuneração entre etanol e açúcar fique menor, estimulando uma safra mais alcooleira, diz Nastari.

Em 3 de outubro, quando o contrato 11 em Nova York fechou a 24,85 centavos de dólar por libra-peso, o açúcar de mercado interno, em São Paulo, teve preços equivalentes a 25,99 centavos de dólar por libra-peso, enquanto o etanol anidro fechou com valor equivalente a 21,05 centavos de dólar por libra-peso e o hidratado, a 19,42 centavos de dólar por libra-peso, segundo a Datagro.

"Se essa diferença de remuneração diminuir, as usinas vão preferir produzir etanol, que têm mais liquidez", afirma Nastari.

No ciclo passado, o 2010/11, o país embarcou 25,51 milhões de toneladas de açúcar, sendo que o Centro-Sul representou 23,18 milhões de toneladas desse total, segundo a Datagro. O mercado estima para essa temporada embarques da ordem de 21,8 milhões de toneladas no Centro-Sul, queda de 6% em relação ao ciclo anterior.