.........

Expointer para além dos números

.........

Os números não deixam margem para dúvidas. A 35ª Expointer, ao superar a barreira dos R$ 2,036 bilhões em vendas, bateu todos os recordes e entra para a história como a maior de todos os tempos. Estamos todos comemorando o resultado, que deve ser partilhado com entidades, apoiadores, patrocinadores, produtores, expositores e trabalhadores. Não é a conquista de um governo, de uma secretaria, mas de todos que entenderam o momento e se uniram para construir o evento, consolidado como a maior feira de agropecuária da América Latina. Embora os números sejam o maior termômetro, é necessário um outro olhar para termos a real dimensão da Expointer para a economia gaúcha. Falo do ambiente estimulador que, além de gerar os investimentos imediatos, em aquisição de máquinas, animais e serviços, resultam na criação de ambiente favorável para que o produtor, ao retornar para sua propriedade, sinta-se desafiado a produzir mais e melhor. A carga de informações que recebe acaba fomentando novos negócios.
O sucesso, por outro lado, lega a nós, organizadores, a obrigação de trabalharmos mais e mais para que, em 2013, possamos fazer algo no míni,mo igual. Para além dos resultados financeiros, dependentes de conjunturas que não estão sob nosso domínio, temos que, entre outras tarefas, aprimorar algumas questões ligadas diretamente à organização e promoção da feira. Autorizamos o início da obra de drenagem das pistas centrais de equinos, bovinos e ovinos. Investimento de R$ 871 mil para acabar com os alagamentos, um dos principais problemas estruturais que temos no parque. Também estamos criando as condições para concretizar o projeto do novo Parque Assis Brasil, anunciado pelo governador Tarso Genro, com excelente repercussão. Medida, aliás, que se torna imprescindível para que possamos nos credenciar, enquanto Estado com grande tradição e potencialidade na produção agropecuária, a ocupar um lugar de protagonismo no atendimento do aumento da demanda mundial por alimentos. Temos certeza de que estamos nos preparando para dar o grande salto e ocupar um lugar privilegiado neste novo e promissor cenário que se desenha, tirando de nossos campos parte dos alimentos que a população mundial precisa.
Secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio

Fonte: Jornal do Comércio | Luiz Fernando Mainardi