.........

Expectativa de melhora nos preços do café motiva produtores a estocarem grãos em São Paulo

.........

Representantes do setor alertam para superlotação de armazéns e problemas de logística, em função da estratégia

Sebastião Garcia | Espírito Santo do Pinhal (SP)

Divulgação/SXC

Foto: Divulgação/SXC

Produtores atrasam vendas em busca de aumento nas cotações de café em SP

Produtores de café de São Paulo mantêm armazéns lotados nesta época do ano, na expectativa de preços melhores, com o fim da safra. A qualidade do produto, de modo geral, no entanto, deixa a desejar, conforme representantes do setor. O cafeicultor Pedro Cardoso Lima diz ter vendido menos da metade de sua colheita. Ele controla o restante, na esperança de um aumento na cotação do grão, uma vez que seu café é certificado.

– Se chegar a R$ 400,00, eu acho que está dentro da realidade. Estará razoável – afirma.

O gerente de cooperativa Daniel Gozzoli aponta que a chuva no início da safra provocou queda na qualidade do café. Segundo ele, a orientação da entidade é para que os produtores comercializem o produto estocado e aguardem melhora nos valores somente para o fim do ano.

– Como existe recurso, financiamento e estocagem por banco e instituições financeiras em geral, o produtor ainda é relutante nesta venda, buscando níveis de R$ 400,00 para café fino, no final do ano. Momentaneamente, um mercado bastante distante para o produtor, que aí rentabilizado permanece com o café estocado – pontua.

O galpão da cooperativa em que trabalha tem capacidade para 80 mil sacas de café. Atualmente, conta com 75 mil. Conforme o profissional, mas o normal é que fiquem, em média, 50 mil sacas armazenadas durante a safra.

– Há procura de galpões de aluguel para conseguir fazer o armazenamento desta safra, que deve ser a maior. A gente vai ter grandes problemas com a estocagem – alerta.

O produtor da região de Espírito Santo do Pinhal (SP) vende o grão por cerca de R$ 360,00 a saca. No ano passado, chegou a R$ 500,00, motivando a estocagem. Além da possível escassez de armazéns, representantes do setor alertam também para a geração de um grave problema de logística.

CANAL RURAL

Fonte: Ruralbr