Estado negocia novo corredor sanitário

O Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa) encaminhou proposta ao Ministério da Agricultura (Mapa) para que a BR 101 se transforme em corredor sanitário. O objetivo é abreviar o tempo de transporte rodoviário de animais, produtos e subprodutos de origem animal com passagem por Santa Catarina ao centro do país. Para criar esse novo corredor sanitário, o Mapa deve negociar diretamente com o governo de Santa Catarina, tarefa já encampada pelo secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Ênio Marques.

Na avaliação do presidente do Fundesa, Rogério Kerber, até São Paulo, por exemplo, a redução de tempo no transporte rodoviário de cargas poderia ser de dez horas. De acordo com Kerber, a BR 116, atual corredor utilizado para enviar produtos para outros estados, está com a sua capacidade comprometida. ‘Além de pista simples, os vários trechos com serra obrigam os caminhões a circular entre 30 e 50 quilômetros por hora’, observa.

No Posto Fiscal de Divisa, em Torres, atualmente só é permitido o trânsito de produtos e subprodutos que se destinam à exportação pelos portos de Santa Catarina e para comercialização em municípios à margem da BR 101. Um convênio firmado entre o Fundesa e as secretarias da Agricultura e da Fazenda do RS permitiu revitalização do posto de Torres, com a abertura de espaço para a operação de servidores da Cidasc. O local, segundo Kerber, permitiria o trabalho integrado entre os dois estados.

Apesar de não haver um estudo sobre o impacto que essa redução de tempo representaria financeiramente, Kerber avalia que ampliaria a competitividade dos produtos gaúchos, a exemplo de lácteos e carne de frango e suína vendidos a São Paulo, maior consumidor do país.

Fonte: Correio do Povo