Embrapa promove I Workshop de Ecologia Química aplicada na agricultura

  Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Claudio Bezerra - A ecologia química se baseia no estudo de sinais químicos emitidos por insetos e plantas para se comunicar. Alguns desses sinais químicos, como os feromônios, são liberados pelos insetos e se propagam pelo ar, atraindo predadores. É o caso da vespa que parasita ovos do percevejo marrom da soja.

Foto: Claudio Bezerra

A ecologia química se baseia no estudo de sinais químicos emitidos por insetos e plantas para se comunicar. Alguns desses sinais químicos, como os feromônios, são liberados pelos insetos e se propagam pelo ar, atraindo predadores. É o caso da vespa que parasita ovos do percevejo marrom da soja.

Evento vai contar com instrutores do Brasil e do exterior. Estudantes e profissionais das áreas de agronomia, química, biologia, entre outras, podem se inscrever até o dia 14 de setembro de 2015
A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa localizada em Brasília, DF, promove no período de 05 a 09 de outubro de 2015, o I Workshop de Ecologia Química Aplicada na Agricultura. O objetivo é capacitar estudantes de graduação e pós-graduação das áreas de agronomia, química, biologia, entre outras relacionadas, além de técnicos agrícolas, extensionistas, pesquisadores, profissionais de empresas de insumos agrícolas, professores de universidades e tecnólogos em técnicas e metodologias de pesquisa para isolamento e identificação de semioquímicos, tais como feromônios, na avaliação comportamental de insetos e na aplicação no manejo de pragas agrícolas.    

Estão sendo oferecidas 60 vagas e, para melhor aproveitamento do curso, é necessário ter conhecimentos de química – no mínimo, o curso de química geral – e biologia. A inscrição pode ser feita aqui até o dia 14 de setembro próximo.
Aulas serão ministradas por pesquisadores do Brasil e da Argentina
O Curso será ministrado por pesquisadores de duas unidades da Embrapa: Recursos Genéticos e Biotecnologia – Miguel Borges, Maria Carolina Blassioli, Raúl Laumann e Mirian Michereff -  e Trigo (Passo Fundo, RS), Antônio Ricardo Panizzi. Além deles, participarão também como instrutores professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Josué Sant ?Ana, e da Universidade de Brasília (UnB), Diego Magalhães e Marla J Hassemer, e a professora da Universidade de Buenos Aires, Argentina, Romina Barrozo.

O conteúdo programático contará com aulas teóricas, abrangendo os seguintes tópico: Introdução à Ecologia Química; O que é Ecologia Química – semioquímicos – feromônios e alomônios – aplicação na agricultura; como obter os semioquímicos de insetos e plantas, métodos de extração; técnicas analíticas para análise de semioquímicos CG-EM CG-DIC; o organismo alvo do estudo – criação, manutenção de insetos e cultivo de plantas para os estudos. 

A parte prática inclui visitas monitoradas à Plataforma de Criação de Insetos, casas de vegetação e laboratórios da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, nas quais os participantes poderão conhecer in loco pesquisas de ecologia química de pentatomídeos.; o uso do EPG para estudos de interação inseto-planta; ecologia química de parasitoides Platygastridae; fisiologia sensorial em insetos; uso de feromônios para manejo de pragas; uso de semioquímicos para manejo de inimigos naturais; Influência das cultivares na interação tritrófica; extração de glândulas e coleta de voláteis de insetos, eletroantenografia; bioensaios em túnel de vento e olfatometria.
Feromônios: aliados no controle biológico de pragas agrícolas
A ecologia química se baseia no estudo de sinais químicos emitidos por insetos e plantas para se comunicarem.  Alguns desses sinais químicos, como os feromônios, são liberados pelos insetos e transportados na atmosfera, sendo, essenciais na comunicação e interação entre os indivíduos da mesma espécie, com os próprios predadores ou inimigos naturais e as plantas.
Os feromônios emitidos e captados no meio ambiente por indivíduos da mesma espécie apresentam grande influência no comportamento desses animais na captura de alimentos e no processo reprodutivo, como dispositivo de atração sexual.

Os cientistas da Embrapa reproduzem, em laboratório, as condições observadas na natureza para compreender melhor o mecanismo comportamental dos insetos visando, assim, o desenvolvimento de novas metodologias a serem utilizadas no controle e manejo de insetos-praga.
O trabalho de pesquisa desenvolvido na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia em parceria com outras unidades da Embrapa, envolve o estudo de diferentes tipos de insetos-praga, dentre os quais podem ser citados: percevejos da soja e arroz, mariposas do milho, coleópteros de algodão e a broca do fruto do cupuaçu. 

Segundo o pesquisador Miguel Borges, coordenador do Workshop, essa tecnologia tem como objetivo principal reduzir ao máximo o uso de defensivos químicos nas lavouras. "A expectativa é disponibilizar para a agricultura familiar e o agronegócio uma tecnologia limpa e impactante tanto do ponto de vista sócioambiental quanto do econômico", afirma.

Neste contexto, os produtos de uso agrícola, derivados de feromônios têm se apresentado como fortes aliados da sustentabilidade na agricultura e têm um mercado crescente frente à economia mundial, com 30% do mercado de biopesticidas no mundo, atrás apenas dos inseticidas bacterianos e botânicos.

No Brasil, as tecnologias baseadas no uso de feromônios já resultaram em mais de 15 produtos registrados e outros em fase de registro. A aplicação dessas tecnologias está em expansão para o controle de insetos-praga de diversas culturas agrícolas, como o dendê, a maçã, a goiaba, a uva, a cana-de-açúcar entre várias outras, no Brasil e no exterior.
Inscrições até o dia 14 de setembro de 2015 no site
Mais informações pelo e-mail: cenargen.cursos@embrapa.br

Fernanda Diniz (DRT/DF 4685/89)

Fonte : Embrapa