Em busca de sócio, Fiagril negocia com Bunge

Mais de um ano depois dos primeiros rumores sobre a venda de uma participação acionária virem à tona, a mato-grossense Fiagril continua em busca de um sócio. A companhia, que fatura cerca de R$ 2,5 bilhões por ano e atua como trading e nas áreas de processamento de grãos e revenda de insumos, colocou o banco Rabobank à frente das tratativas. E a americana Bunge, maior exportadora de grãos do Brasil, estaria a caminho de adquirir uma fatia de 40% da empresa, conforme fontes ouvidas pelo Valor.

A procura da Fiagril por um sócio não é novidade. Há pouco mais de um ano, relatos davam conta que a companhia estava em negociações com um grupo asiático para a venda de uma fatia minoritária. À época, a estatal chinesa Chinatex foi apontada por pessoas a par do assunto como a principal pretendente, mas as conversações não prosperaram.

Em março do ano passado, a Fiagril já havia concretizado um rearranjo societário: a gestora de fundos americana Amerra Capital Management abocanhou 25% do capital da empresa brasileira. Em entrevista ao Valor em junho de 2014, Craig Tashjian, diretor e um dos fundadores da Amerra, afirmou que a elevação dos preços dos grãos nos anos anteriores restringiu a habilidade da empresa em usar capital próprio para alimentar investimentos estratégicos, o que fez aumentar a necessidade de atrair um parceiro capaz de injetar capital.

Com isso, a Amerra, que já tinha feito empréstimos à Fiagril, entrou no negócio. Mas como o perfil desse fundo não é ter participação acionária, ficou estabelecido que ele teria um prazo de seis meses a três anos para deixar a empresa, o que abriria espaço para a chegada de um novo sócio. Mas ainda não está claro se, com a entrada de um novo sócio, a Amerra deixará totalmente a Fiagril. Procurado, Tashjian disse apenas que, "no momento, está impossibilitado de comentar".

Marino Franz, presidente do conselho de administração e fundador da Fiagril, confirmou que a empresa está em busca de um sócio estratégico, mas negou que existam tratativas com a Bunge. "Não procede", disse. A multinacional americana preferiu não se manifestar sobre o assunto. O Rabobank, por sua vez, afirmou que "não confirma as informações e, por questão de confidencialidade, não comenta transações de mercado".

Fundada em 1989, a Fiagril começou vendendo insumos, mas se lançou a uma acelerada diversificação de atividades. Passou a negociar soja e milho há uma década e, mais recentemente, investiu na produção de biodiesel, sementes, fertilizantes, armazenagem e logística – o que exigiu um grande volume de recursos.

Uma das grandes apostas da empresa está no corredor logístico do "Arco Norte", com a Cianport. Criada em 2012, a empresa é uma joint venture entre a Fiagril, hoje com 43%, e a Agrosoja, com 57%. A companhia dará início em março próximo ao escoamento de grãos do Centro-Oeste via sua estação de transbordo fluvial em Miritituba (PA), no rio Tapajós, e o terminal portuário de Santana, no Amapá. Computados os aportes em instalações, barcaças e empurradores, a Cianport investirá quase R$ 500 milhões no empreendimento.

Uma fonte ouvida pelo Valor fez menção a problemas financeiros que a Fiagril estaria enfrentando. Contudo, pessoas ligadas à negociação de grãos em Lucas do Rio Verde, sede da Fiagril, relataram que a atividade da trading permanece em ritmo normal. A Fiagril movimenta entre 2,5 milhões e 3 milhões de toneladas de grãos por ano.

Por Mariana Caetano e Bettina Barros | De São Paulo

Fonte : Valor