El Niño deve ter fraca intensidade

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) aponta uma possibilidade de 60% de o El Niño se desenvolver nos próximos meses, mas avalia, agora, que o fenômeno climático poderá ter intensidade fraca, e não forte, como se temia. A entidade tem insistido para os governos reforçarem planos para enfrentar as consequências dessa ocorrência.

Em nova avaliação, a OMM diz que, apesar de ter havido um aquecimento da superfície do Oceano Pacífico equatorial até junho, as temperaturas voltaram ao normal em julho e agosto. No entanto, reitera que os modelos climáticos e opiniões de especialistas sugerem que a temperatura do Oceano Pacífico equatorial poderá voltar a subir, elevando potencialmente a chance de o El Niño se manifestar nos próximos três meses.

Conforme a OMM, os modelos indicam, agora, possibilidade entre 55% e 60% de o El Niño se desenvolver entre setembro e novembro, e de 70% para o período de novembro a fevereiro. Ainda que o fenômeno tenda a ser fraco, uma ocorrência de intensidade moderada não pode ser desconsiderada. A chance de um evento forte parece descartada.

O El Niño provoca eventos extremos e se caracteriza por temperaturas da superfície do mar anormalmente elevadas na parte centro-oeste do Pacífico tropical. Ele ocorre a cada dois a sete anos. Um episódio do El Niño pode criar condições anormalmente secas no norte da Austrália, na Indonésia e nas Filipinas e pode haver "déficit de chuva" também no Nordeste do Brasil.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3687834/el-nino-deve-ter-fraca-intensidade#ixzz3CoyZhylT

Fonte: Valor | Por Assis Moreira | De Genebra