ECONOMIA E EMPREGO – Processo eletrônico agiliza exportações do agronegócio

Comércio Exterior

Lacre eletrônico reduz em até 72 horas tempo entre frigorífico e embarque no porto

Canal Azul será disponibilizado para estabelecimentos exportadores de carne e de vegetais que demandam certificação fitossanitária

Canal Azul será disponibilizado para estabelecimentos exportadores de carne e de vegetais que demandam certificação fitossanitária

Itens relacionados

Exportação de milho cresce 13,6% e garante mais de US$ 3 bilhões ao País em 2015

Soja, carnes e milho foram destaques nas exportações de outubro

Adidos impulsionam negócios da agropecuária brasileira no mercado internacional

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estima que até o final deste ano mais de mil empresas brasileiras já estejam utilizando o processo eletrônico de exportações Canal Azul. O sistema, lançado na semana passada pela ministra Kátia Abreu, elimina documentos em papel e confere agilidade na liberação de mercadorias agropecuárias.

Ainda este ano, o Canal Azul será disponibilizado para estabelecimentos exportadores de carne e de vegetais que demandam certificação fitossanitária. Todas as demais cadeias produtivas e de suprimentos do agronegócio serão contempladas até o final do primeiro semestre de 2016.

A coordenadora-geral do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), Edilene Cambraia, disse que, desde o lançamento, centenas de empresas de todas as cadeias produtivas manifestaram interesse em adotar o lacre eletrônico.

O Canal Azul está sendo testado em dez empresas voluntárias exportadoras de carnes, nos portos de Paranaguá (PR), Itajaí (SC) e Santos (SP), e deverá ser utilizado por mais de mil estabelecimentos somente este ano.

O sistema reduz em até 72 horas o tempo médio entre o carregamento dos contêineres na indústria e o embarque nos navios, o que representa corte significativo nos custos de logística de transporte e armazenagem.

Vantagem

Kátia Abreu afirmou que o Canal Azul elimina burocracia desnecessária, facilitando a vida das empresas e melhorando o fluxo das exportações. “A grande vantagem é a previsibilidade da operação para as empresas, que não correm risco de ficar com a mercadoria parada no porto. Há ainda grande ganho de logística porque elas podem planejar melhor o envio da mercadoria ao porto”, observou a ministra.

A coordenadora Edilene Cambraia destacou que o sistema eletrônico, apesar de eliminar papéis e procedimentos, aumenta o rigor do controle sanitário e fitossanitário. “Ao integrar os sistemas, o fluxo de informação é único, tornando a informação visível ao Vigiagro desde o frigorifico até o porto. Em vez de analisar papéis, o Mapa terá informações antecipadamente de forma eletrônica”, explicou.

USP

O Programa Canal Azul foi desenvolvido pelo Grupo de Gestão em Automação e Gestão de Tecnologia da Informação (Gaesi) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Por meio da Instrução Normativa 28, de 23 de setembro de 2015, o Mapa incorporou o programa ao Sistema de Informações Gerenciais de Trânsito Internacional (SIGVIG) e definiu um cronograma de implementação do Canal Azul para todas as cadeias do agronegócio.

 Ministério da Agricultura

Fonte: Portal Brasil