.........

ECONOMIA – Agro gerou mais de 10 mil vagas formais em janeiro

.........

Cultura de soja ajudou a influenciar o resultado. Acumulado de 12 meses é negativo

colheita-de-soja-graos-agricultura-campo-novo-dos-parecis (Foto: Ernesto de Souza/Ed. Globo)

Colheita da soja estimulou contratações no setor em janeiro (Foto: Ernesto de Souza/Ed. Globo)

A agropecuária brasileira encerrou o mês de janeiro com a geração de 10.663 vagas de trabalho com carteira assinada. O número é resultado de 83.481 admissões e 72.818 demissões no mês passado, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Os números foram divulgados nesta sexta-feira (3/3) pelo Ministério do Trabalho (MTE).

No relatório, o Ministério destaca as contratações vinculadas à safra de soja, especialmente em Mato Grosso. Das 6.902 admissões feitas na cadeia produtiva, 5.991 foram no Estado que lidera a produção da oleaginosa. Os pomares de frutas pelo país acrescentaram 9.167 postos de trabalho a essa conta.

O saldo positivo superou o do mesmo mês em 2016, quando houve a geração de 8.729 vagas. E foi o quarto janeiro seguido com admissões superando as demissões no setor. A última queda, de 622 vagas, tinha sido registrada pelo Ministério do Trabalho em janeiro de 2013. O recorde da agropecuária para o mês foi em 2007, com a geração de mais de 17 mil postos de trabalho.

O resultado positivo de janeiro de 2017 não impediu que o setor agropecuário registrasse saldo negativo de postos formais de trabalho no acumulado de 12 meses. A diferença entre admissões e demissões resultou na perda de 12.827 vagas formais.

O desempenho do setor foi contrário ao resultado geral do Caged. Considerando todos os setores da economia, o Brasil encerrou o mês de janeiro com o fechamento de 40.864 empregos com carteira assinada.

Fonte : Globo Rural