.........

Dólar forte afetou lucro da SLC no 1º trimestre

.........

A SLC Agrícola, uma das mais importantes produtoras de grãos e fibras do país, registrou um lucro líquido atribuído aos sócios da empresa controladora de R$ 33,66 milhões no primeiro trimestre de 2015, 22,9% aquém do resultado líquido positivo de R$ 43,65 milhões no mesmo período do ano passado.

Em nota que acompanhou o balanço, divulgado ontem, a SLC explicou que a queda do lucro foi motivada pelo aumento das despesas financeiras, fruto da valorização do dólar no trimestre, que impactou as contas a pagar vinculadas à moeda americana.

Mas a expectativa da companhia é que essa variação cambial seja compensada pela receita ao longo do ano. "À medida que fomos pagando os fornecedores, vendemos dólar futuro, conforme nossa política de risco, dessa forma garantindo que o dólar dos custos/despesas esteja nos mesmos patamares do dólar da receita de vendas", detalhou a empresa.

A SLC informou ainda que obteve uma receita líquida de R$ 364,27 milhões nos três meses encerrados em 31 de março, elevação de 3,8% em relação ao mesmo intervalo de 2014. A dívida líquida, por sua vez, cresceu 7,2% no período, para R$ 940,44 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 102,35 milhões, recuo de 1,2% sobre o primeiro trimestre do ano passado. A margem Ebitda ajustada, por sua vez, ficou em 18,4%, 12 pontos percentuais abaixo do primeiro trimestre de 2014. Conforme a SLC, essa margem ficou abaixo da esperada para 2015, mas também nesse caso, a expectativa da companhia é que o indicador volte ao patamar histórico de 25%, com a captura dos efeitos da depreciação do real e de bons desempenhos de produtividade.

Até 30 de abril, a SLC já havia colhido 82% de sua área plantada com soja na atual safra 2014/15. Apesar de problemas climáticos na Bahia, no Piauí e em Goiás, a empresa continua a prever que o rendimento da oleaginosa nesta temporada ultrapasse em 8,1% o da safra passada, a 3,15 mil quilos (52,5 sacas) por hectare.

As lavouras de primeira safra de algodão nessas regiões também se recuperaram das intempéries que enfrentaram e apresentam bom desenvolvimento, com uma estimativa de colheita de 1,75 mil quilos por hectare de pluma. A segunda safra da fibra também já foi toda semeada pela companhia.

A primeira safra de milho, contudo, sofreu mais com a estiagem no início do ano e o potencial de produtividade da cultura foi afetado. A SLC, que já colheu 19% da área plantada com o grão, espera um rendimento médio de 7,94 mil quilos (133 sacas) por hectare, queda de 5,6% sobre 2013/14. Já a segunda safra de milho, cujo plantio já está concluído, recebeu chuvas acima da média em abril, o que reforça as expectativas da SLC de um bom nível de produtividade.

Fonte: Valor | Por Mariana Caetano | De São Pauloc