Desembolsos de crédito rural continuam em queda na safra 2015/16

Os desembolsos de crédito rural confirmaram as expectativas e recuaram nos cinco primeiros meses desta safra 2015/16. O montante total somou R$ 73,5 bilhões de julho a novembro, 7% a menos que em igual período da temporada 2014/15. Na mesma comparação, o número de contratos firmados recuou 26%, para 1,1 milhão. Os dados são do Sistema de Operações do Crédito Rural (Sicor) do Banco Central.

A queda do valor desembolsado foi puxada pelas contratações para investimento, que registraram uma expressiva redução de 56,8% no intervalo, para R$ 13,5 bilhões. Já as operações de custeio alcançaram R$ 49,6 bilhões 20,8% a mais que de julho a novembro do ano passado. Somente as liberações para custeio agrícola cresceram 31,5%, para R$ 39 bilhões.

Os bancos públicos continuam concentrando a maior parcela de desembolsos. Liberaram, no total, R$ 40,1 bilhões nos cinco primeiros meses da temporada 2015/16, 4,3% menos que o aplicado no mesmo período da safra 2014/15. Mas os empréstimos para custeio dos bancos públicos aumentaram 31%, para R$ 29,5 bilhões. O Banco do Brasil, líder do mercado de crédito rural no país, foi responsável por desembolsos de R$ 34,1 bilhões entre julho e novembro deste ano, mesmo patamar de 2014/15.

Já os bancos privados desembolsaram R$ 23,6 bilhões nos cinco primeiros meses do ciclo 2015/16, montante 2% inferior ao de igual intervalo da temporada 2014/15. Ainda assim o volume financiado para custeio, de R$ 12,4 bilhões na atual safra até novembro, ficou acima do verificado no mesmo intervalo da temporada anterior (R$ 11,6 bilhões). Nessa frente, o Bradesco lidera, com R$ 6,7 bilhões desembolsados, seguido pelo Itaú, com R$ 6 bilhões contratados.

Por Cristiano Zaia | De Brasília

Fonte : Valor