.........

Debatedores pedem mais investimentos em pesquisa agropecuária

.........

Fonte:  Agência Câmara de Notícias | Beto Oliveira

Deputado Zé Silva: extensão rural precisa ser aperfeiçoada.

É preciso investir mais em pesquisa agropecuária e fazer com que os resultados dos estudos desse setor cheguem até os agricultores brasileiros. Essa foi a conclusão da audiência pública sobre extensão rural realizada nesta quarta-feira pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara.

O coordenador da Frente Parlamentar  da Assistência Técnica e Extensão Rural, deputado Zé Silva (PDT-MG), explicou por que pediu a realização do debate juntamente com o deputado Paulo Piau (PMDB-MG): “A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está preparada para cumprir o seu papel de inovação, mas os resultados não chegam ao campo sem a extensão rural, que não está preparada para responder da maneira que o País precisa.”

Segundo ele, metade dos produtores brasileiros hoje não tem nenhum tipo de informação sobre os resultados do trabalho da Embrapa.

Para o representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário na audiência, Argileu Martins, ainda existe outro problema: as pesquisas não levam em consideração os problemas que os agricultores vivem na prática. Segundo ele, é preciso ouvir os agricultores para conhecer os “gargalos” do setor e fazer mais pesquisas sobre temas como armazenamento e processamento de alimentos.

Divergência
O ponto de maior discordância entre os participantes da audiência foi a proposta de criação de uma entidade federal para integrar o serviço de assistência técnica e extensão rural, hoje feito pelos estados por meio das Ematers. A Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer) e o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) defenderam a centralização desse serviço.

“Há poucos recursos, então precisamos racionalizar — e bem — as ações, evitando, inclusive, a duplicação de pesquisas sobre o mesmo tema. Temos que trabalhar essa questão de como fazer as inovações chegarem melhor ao meio rural”, destacou Heinze.

Já o deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR) afirmou que o Estado não precisa de uma entidade federal e que pode passar a responsabilidade da assistência técnica às cooperativas e fornecedores de material para o campo: “Por que mais um cabidão, uma estrutura para fazer a Empresa Brasileira de Extensão? Sou contra. O que precisa haver é, dentro do Ministério da Agricultura, uma estrutura de apoio à extensão rural nos estados. Isso sim é importante”, argumentou.

Segundo o representante do Ministério da Agricultura, Roberto Lorena Santos, a falta de orientação especializada — que poderia ser feita por técnicos de extensão rural — leva 7 em cada 10 negócios de agricultores familiares a fechar com menos de um ano de funcionamento.

Reportagem – Ginny Morais/Rádio Câmara
Edição – João Pitella Junior