.........

Dado é insuficiente para avaliar efeitos de acordo, diz Cade

.........

Para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o aumento de participação da BRF em vários mercados, mesmo após a transferência de ativos para a Marfrig, ainda não é suficiente para avaliar os efeitos da decisão que impôs restrições à compra da Sadia pela Perdigão. O crucial, segundo o órgão antitruste, é que não houve aumento de preços para o consumidor.

"A BRF pode até ter conseguido a manutenção da participação de mercado, mas não parece ter capacidade ou interesse estratégico em aumentar preços", afirmou o conselheiro Ricardo Ruiz, autor do voto vencedor no processo em que, há dois anos, o Cade aprovou a criação da BRF. "O aumento de ‘share’ não nos tranquiliza, mas o fato de a empresa não ter aumentado preços sim", completou o conselheiro.

Ainda que Ruiz afirme não ter havido alta de preços, a própria BRF informou que aumentou, em média, em 9,7% os preços em 2012. É preciso considerar também que houve alta nos custos médios da empresa de 16,3% no mesmo período.

As dificuldades de a Marfrig se reestruturar frustraram as expectativas dos conselheiros num primeiro momento. Eles acreditavam que a empresa poderia se tornar uma competidora mais efetiva logo após adquirir o pacote de ativos da BRF.

"A reestruturação de Marfrig foi frustrante para o termo de compromisso de desempenho", afirmou Ruiz, referindo-se ao acordo que foi assinado com a BRF com as condições que foram negociadas para a aprovação da compra da Sadia pela Perdigão. "Mas a JBS está entrando com mais força, agora, e temos que esperar mais um pouco para analisar os resultados", completou.

Quanto aos setores em que houve aumento de participação, a maior preocupação do órgão antitruste está no mercado de margarinas. Já no setor de lácteos, não houve intervenção do Cade, logo, não há motivo para alarme entre os conselheiros. Nos segmentos de pizzas congeladas e massas prontas, a avaliação no Cade é a de que esses mercados são pequenos e as pesquisas não conseguem verificar o impacto de concorrentes independentes, que não têm marcas de destaque.

Já em alimentos processados, o Cade analisa os números com cautela, pois esse é um segmento que engloba diversos mercados, como hambúrgueres, salsichas e linguiças.

Segundo Ruiz, para se fazer qualquer constatação, é preciso verificar a participação de mercado de um por um. O mesmo ocorre nos alimentos congelados. O Cade não interferiu no setor de comida industrializada nem no segmento de "food service". Logo, é necessário checar em quais ramos houve elevação de participação de mercado.

Ao todo, o Cade interveio em dez mercados que correspondiam a 30% da capacidade da BRF. Mas, alguns mercados em que não houve intervenção registram vendas em grandes quantidades, como partes "in natura" de frangos, linguiças e salsichas. São esses segmentos que podem alavancar as participações da BRF. (Colaborou LHM, de São Paulo)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3189648/dado-e-insuficiente-para-avaliar-efeitos-de-acordo-diz-cade#ixzz2YSNiWZMJ

Fonte: Valor | Por Juliano Basile | De Brasília