.........

CVM vai inspecionar BDO e KPMG

.........

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou que existe uma nova frente de investigação em relação às ilegalidades admitidas à Justiça pelos sócios e dirigentes da JBS e que iniciou mais dois processos administrativos, agora para inspecionar os procedimentos de auditoria externa sobre os balanços de 2009 a 2016. A autoridade do mercado de capitais vai realizar inspeções nos trabalhos da BDO RCS, entre 2013 e 2016, e da KPMG, entre 2009 e 2012.

Em geral, a CVM não costuma dar publicidade a essas atividades. Mas como todas as atenções estão voltadas para o caso JBS decidiu fazê-lo na manhã de ontem.

As duas investigações divulgadas pelo regulador foram iniciadas a pedido da superintendência de normas contábeis e auditoria, mas o regulador não deu maiores detalhes.

Procurada, a KPMG afirmou estar impedida de se manifestar sobre casos envolvendo empresas auditadas ou que já foram auditadas, por motivos de cláusulas de confidencialidade que regem a profissão de auditor.

A BDO não se manifestou.

O fato de a JBS ter pago propina a políticos, em si, não significa que a auditoria cometeu um erro, já que o trabalho realizado por um auditor externo não tem a busca de fraude como foco principal.

Mas como os valores são significativos, na casa de centenas de milhões de reais, e os pagamentos foram feitos com uso de inúmeras notas frias, a área técnica da CVM vai querer verificar de que forma o auditor checou os controles internos para delimitar os testes que realizaria, se o planejamento de trabalho e os testes realizados foram adequados e bem documentados, bem como se algum sinal amarelo surgiu no caminho e foi ignorado.

No Formulário de Referência divulgado ao mercado, a JBS diz que nem seus diretores nem seus auditores apontaram falhas relevantes nos controles internos nos últimos anos.

Esse tipo de inspeção anunciada pela CVM é feita pela área de fiscalização externa e pode ocorrer tanto por demanda – quando a autarquia verifica indícios de irregularidades, como no caso da JBS -, como por rotina, de forma preventiva. Em 2016, a área realizou 101 inspeções por rotina e 56 por demanda, segundo a CVM. (Colaborou Fernando Torres)

 

Por Juliana Schincariol | Do Rio

Fonte : Valor